Brasil 3×2 Peru: Descobrindo uma nova potência no MMA sul-americano

0
281
Ruiz surpreendeu o irmão de Ivan Iberico

Até 2006 imaginávamos por aqui que o Brasil era o único país sulamericano onde se praticava MMA e que nossos lutadores so encontravam concorrência em eventos nacionais ou na casa dos principais rivais (Japão, EUA e Russia). Até que Leonardo Nogueira, irmão do campeão do Shooto, Alexandre Pequeno foi convidado a participar da primeira edição do evento peruano Gran Champion 1, em fevereiro em Lima, enfrentando um wrestler local chamado Ivan “Pitbull” Ibérico e acabou sendo nocauteado em 39 segundos.

“O Perú é uma potencia no Wrestling e também no Boxe. Fiquei muito impressionado não só com a organização do evento, mas também com o bom nível dos lutadores”, resumiu Alexandre “Pequeno”, que conseguiu que a organização do show me levasse para a segunda edição, no dia 12 de maio de 2006. Dado o sucesso da primeira edição quando o maior ídolo local atropelou em segundo o irmão de um campeão mundial da maior potência do esporte naquele momento, os promotores tiveram a ideia de promover um Brasil vs Perú na segunda edição num confronto de cinco lutas.

Ruiz, Mussi e Sapo garantiram a vitória do Brasil

Já ciente de que os peruanos não vinham para brincadeira, Pequeno organizou uma seleção com nomes já experimentados no MMA nacional. Até 66kg, levou Rodrigo Ruiz de São Paulo; até 77kg Daniel Muralha também de São Paulo; nas duas lutas até 84kg Luis Sapo (Belém) e Felipe Mongo (Rio de Janeiro) e no peso pesado André Mussi (Bahia).
Tal como na primeira edição os confrontos foram marcados por lutas muito equilibradas como a que abriu a noite entre Luis Sapo e o campeão local de Wrestling, Davi Cubas. Mesmo tendo 50 lutas de MMA (apenas 3 derrotas) contra apenas 3 de Cubas, o Sapo teve dificuldade para neutralizar o wrestling adversário no segundo e terceiro round. O Sapo venceu graças a um primeiro round perfeito quando quase nocauteou o adversário. Brasil 1×0.

Rodrigo Ruiz (Never Shake) conseguiu a segunda vitória para o Brasil quebrando uma costela do lutador Davi Escorpion com um pisão a La Wanderlei Silva, em um primeiro round muito intenso e disputado. Sentindo muito a contusão, o peruano não conseguiu retornar para o segundo turno.

Na melhor luta do evento o campeão local de Boxe, Daniel “La Hiena” Haste derrotou o aluno de Alexandre Nogueira, Felipe Mongo, por decisão dos juízes. Brasil 2×1 Peru.

O Brasil definiu a vitória com o aluno de Rodrigo Minotauro, André Mussi (128kg), que finalizou Daniel El Grande (124kg), com uma guilhotina no primeiro round.

IVAN IBERICO FINALIZA FINALIZA E VIRA ALUNO DE PEQUENO

Na última luta da noite o maior ídolo local, Ivan “Pitbull” Ibérico, após nocautear o irmão do Pequeno na primeira edição, finalizou outro pupilo do rei da Guilhotina, Daniel Muralha. Em menos de 3 minutos Ivan derrubou, passou a guarda e finalizou Muralha com uma kimura. “Gostaria de dedicar minha vitória a todas as mães do Peru’, disse o ídolo enlouquecendo o público.

Após o evento Pitbull levou sua equipe para participar de um seminário do Pequeno em Lima. “Considero Pequeno, Couture Wanderlei e Fedor os melhores lutadores de vale-tudo do mundo. será uma oportunidade incrível para os lutadores peruanos aprenderem mais técnicas de MMA”, disse o educado Ivan após o evento. Curiosamente, a partir deste seminário, se iniciaria uma grande parceria que dura até os dias de hoje. Pitbull passaria a representar a Luta-Livre no Perú e após a sua aposentadoria passaria a formar dezenas de talentos como Jesus Pinedo (atual campeão da PFL), Enrique Barzolla (UFC) e tantos outros transformando em definitivo o seu país na segunda potencia do MMA sulamericano.

Grand Champion – El Choque 2 ; 12 de maio
Centro de Convenções Maria Angola, Lima, Peru

Brasil x Peru:
– Luis Sapo (Brasil) venceu Davi Cubas – decisão
– Rodrigo Ruiz (Brasil) venceu Davi Iberico – parada médica
– Daniel Haste (Peru) venceu Felipe Mongo (Brasil) – decisão
– André Mussi (Brasil) finalizou Daniel El Grande (Chile) – guihotina
– Ivan ‘Pitbull’ Ibérico (Peru) finalizou Daniel Mutalha (Brasil) – kimura