Hélio Gracie x Waldemar Santana: 68 anos da luta mais longa da história

0
1175

Dia 24 de Maio de 1955. Há exatos 68 anos Hélio Gracie e Waldemar Santana fariam a luta mais longa da história: 3h45min. A história por trás deste combate, que colocou pela primeira vez um aluno contra o mestre das regras do Vale-Tudo acabou sendo amplamente divulgada na mídia na época. Mas para entender as razões desta luta é importante contextualizar.

Em 1955, Pelé ainda não tinha trazido o primeiro caneco para o Brasil. E pior que isso. Nossa torcida ainda se recuperava do trauma do “Maracanazo”. Nesta realidade quem tinha status de herói era Hélio Gracie, que mesmo tendo perdido para o japonês Kimura (30kg mais pesado) numa luta de Jiu-Jitsu, já havia vencido muitos desafios de Vale-Tudo nos anos 30 e 40, passando a ser o queridinho da mídia.

Logo após a luta com Kimura (1951), Hélio e seu irmão Carlos inauguraram a nova Academia Gracie na avenida Rio Branco e convidaram Waldemar para ser roupeiro e faxineiro. O marmorista baiano aproveitava todo tempo livre que tinha para treinar e aos poucos foi se revelando um talento, passando a servir de sparring para os mais graduados como João Alberto Barreto, Hélio Vigio e Carlson Gracie, de quem se tornou amigo.

Um dia faltou água, Waldemar esqueceu as torneiras abertas durante a noite e inundou a academia encharcando os tatames e deixando Hélio Gracie furioso. Waldemar foi demitido, mas depois de um tempo voltou a treinar, com consentimento do mestre. Não mais como empregado, mas como aluno e lutador da academia. Tudo corria bem até Waldemar receber uma proposta para enfrentar Hamilton Silva (Biriba) com quem tinha uma pendenga pessoal. O problema é que a luta ocorreria no Palácio de Alumínio (a meca das lutas combinadas) na cidade.

Consultado por Waldemar, Hélio não quis permitir que o aluno lutasse no evento e ameaçou expulsá-lo. Waldemar ainda tentou convencê-lo que a luta seria para valer, explicando que precisava muito de dinheiro, mas Hélio deixou claro que o expulsaria caso aceitasse o desafio. Sem nenhuma perspectiva de fazer parte da equipe A que representava a academia Gracie na época, Waldemar acabou lutando. De fato foi uma luta pra valer e Santana venceu fácil, mas o mestre não quis conversa e o expulsou. O episódio geraria uma enorme celeuma na época com o jornalista da “Ultima Hora” Carlos Renato, criando a narrativa de que o aluno humilhado deveria responder ao mestre nos ringues.

A história ganhou espaço em todos os veículos da época e Waldemar acabou desafiando o mestre Hélio, que aos 42 anos resolveu aceitar o desafio do aluno 19 anos mais novo. A luta ocorreu no dia 24 de maio de 1955 no ginásio da ACM com ampla cobertura da imprensa na época. Waldemar passou a maior parte do combate dentro da guarda de Hélio acertando o rosto do mestre com socos. Ao final de 3h45 de Vale-Tudo Waldemar definiu o combate arremessando Hélio num kataguruma e complementando a queda com um chute no rosto, que levou Hélio a nocaute.

A violência daquele combate levaria à proibição do Vale-Tudo no Rio de Janeiro e mereceria crônicas em todos os jornais da cidade, inclusive uma de Nélson Rodrigues, Intitulada “O Preto que tinha alma preta” na qual o dramaturgo analisa fortemente a questão racial na época. “O que houve ontem na ACM foi uma forra ancestral do negro sobre o branco…. E eu senti como se o golpe que liquidou Hélio Gracie fosse desferido pelo pé de um S. Benedito”, escreveu o sempre polêmico dramaturgo à época.

A VINGANÇA E AS HOMENAGENS

O nocaute brutal sofrido por Hélio Gracie geraria um interesse imediato numa resposta da família, desta vez representada por Carlson Gracie. Carlson vingaria o tio Hélio numa luta de Vale-Tudo que lotou o Maracanãzinho em 1956. Mas mesmo após de ser derrotado pelo Gracie, Waldemar continuaria com seu status de grande ícone esportivo. Além de Carlson Gracie, com quem Waldemar lutou em cinco oportunidades (1 vitoria para o Gracie e 4 empates), o Leopardo Negro lutaria diversas vezes com outros grandes ícones de sua geração, como Ivan Gomes, Euclides Pereira e até mesmo com o japonês Masahiko Kimura, a quem enfrentou em Salvador nas regras do Vale-Tudo. O próprio Kimura narrou esta luta em sua biografia, reconhecendo que levou uma surra do baiano e a luta só foi declarada empate porque ele conseguiu chegar até o final.

Em 2022 a luta mais longa da história recebeu uma homenagem do poder publico através do projeto Negro Muro, que viabilizou uma bela pintura do artista Cazé em um muro localizado bem a frente da ACM, onde Hélio e Waldemar lutaram em 1955. Na cerimônia de inauguração, além da filha de Waldemar, Waldimara, estava presente João Alberto Barreto. Aluno mais fiel de Hélio Gracie e parceiro de treinos de  Waldemar Santana. Carlson Gracie também recebeu uma homenagem em agosto de 2019, quando foi inaugurada uma estátua sua em tamanho natural, na saída do metrô de Copacabana, a poucos metros da academia onde formou tantos campeões. A comunidade da luta agora aguarda ansiosa a aprovação do projeto que prevê uma estátua dos criadores da dinastia Gracie, os irmãos Carlos e Hélio, juntos.