Art of War 12: Sheik de Abu Dhabi reúne lendas do Jiu-Jitsu na China

Royce, Rickson, Royler e Demian: Café da manhã regado a muito Jiu-Jitsu

Normalmente os eventos de MMA ficam marcados em nossa memória pela luta principal ou pelos melhores combates do show, definitivamente este não foi o caso do Art of War 12, realizado no dia 23 de maio de 2009 em Pequim na China.

Apaixonado pelo Jiu-Jitsu, Sheikh Mohamed percebeu que a cultura do esporte poderia não só ajudá-lo a educar os seus como também expandir seus negócios. E foi entendendo o interesse crescente do MMA pelo mundo, que o Emir resolveu estreitar seus laços com a China investindo mais de 3 milhões de dólares na realização deste evento de MMA em Pequim com a ajuda dos parceiros chineses Andy e Konrad Pi, Mohamed.

Werdum, Libório, Demian, Rickson e Thalles

Para realizar o show Mohamed não economizou distribuindo mais de cem passagens (primeira classe) que custavam em média 10 mil Reais para lutadores (e técnicos) vindos de 12 países distintos. Celebridades do mundo da luta como Rickson, Royce, Renzo, Royler, Vitor Shaolin, Fabricio Werdum, Demian Maia, Thales Leites, Bas Rutten, Tim Sylvia, Ricardo Libório, Joachim Hansen, os juizes, Big John Mcarty (UFC) e Shimada (Pride), o anouncer Michael Buffer. Tive a sorte de estar entre os cinco jornalistas selecionados de veículos do mundo todo para cobrir o show a convite do evento e poder passar 4 dias com acesso ilimitado a todas essas lendas. Uma verdadeira Disneylândia para o jornalista de MMA, principalmente porque nenhum deles iria lutar, ou seja, estavam totalmente desconcentrados. Resultado, consegui “matéria prima” para quase 6 meses.

Além de entrevistas com cada um deles, de quebra, ainda pude acompanhar um seminário privado de Renzo para Demian Maia, que já vinha sendo apontado como maior nome do Jiu-Jitsu e aproveitou a presença do Gracie para ajustar umas posições, curiosamente anotando cada detalhe num caderninho, após o Gracie recebê-lo no quarto levantando a cama e fazendo o tapete de tatame.

Durante estes quatro dias também descobri que Werdum, morando na Califórnia há três meses, estava agoniado por ter perdido três capitulo da Novela Caminho das Índias. E durante um passeio a cidade proibida (onde viveram durante quase 500 anos os imperadores chineses que governavam o país), Fabrício não perdeu a chance de testar seus conhecimentos no “idioma Indiano”. Ao avistar um grupo de indianos, o gigante gaúcho partiu com tudo para cima deles e disparou: “Hale Baba, Xicran, Dahlit”. Inicialmente assustados com aquele gigante tentando pronunciar palavras de sua língua, os indianos acabaram relaxando, caindo na gargalhada e ainda pedindo para tirar fotos com Werdum. “Bah ta vendo é verdade mesmo o que a Glória Perez coloca”. Comemorava amarradão o homem que dali a um ano viria a se consagrar derrotando Fedor Emelianenko. Werdum, aliás, foi eleito por unanimidade por Royce, Libório, Rickson, Royler, Shaolin, Thales e Demian como o “figuraça” da viagem.

Werdum assistindo a novela Caminho das Indias no laptop

ROLLES GRACIE FINALIZA RÁPIDO 

O evento, realizado no ginásio Olympic Sports Center, vizinho do famoso estádio Ninho dos pássaros, também teve produção de primeiríssima. Diante de tantas celebridades e uma produção de mini-pride restava aos desconhecidos lutadores do card vindos de países sem nenhuma tradição no MMA, como Indonésia, China, e Dinamarca, darem um bom espetáculo. E dentro de suas limitações até que eles cumpriram seu papel realizando lutas interessantes para o público local.

Para a imprensa internacional e principalmente para nós do Brasil o que mais interessava, além da reunião de dezenas de celebridades nos bastidores era a luta de Rolles Gracie, filho do legendário Rolles Gracie. Único representante Brazuca no evento o Gracie de quase 2 metros e 113kg atropelou o russo Baga Agaev. Em pouco mais de cinco minutos, Rolles derrubou, montou, tentou dois kata-gatames, mas acabou definindo com um mata-leão. Depois de muita comemoração com Renzo, Royce, o irmão Igor e Rafael Correa, Rolles recebeu o prêmio das mãos do tio Rickson que foi apresentado aos chineses, pelo apresentador Michael Buffer (maior announcer de Boxe dos EUA), como principal representante da família Real do MMA. Na hora de entregar o prêmio Rickson quebrou o protocolo erguendo, o mais novo representante da família nos ringues.

O filho de Rolles recebeu o prêmio das mãos do tio Rickson

Logo após a luta de Rolles, o chinês Wu Hão Tian levantou o público presente no ginásio após nocautear o japonês Kobayashi em menos de 2 minutos de luta.  Para premiar o campeão chinês todo o aparato de segurança foi mobilizado para receber no ringue Sheikh Zayed bin Mohammad bin Zayed e sua irmã . Os simpáticos filhos do Emir dos Emirados, Sheik Mohamed, patrocinador principal do evento, passaram alguns minutos posando para os fotógrafos. Já na saída do evento os dois nobres deixaram o protocolo de lado e, como fans declarados de Jiu-Jitsu e MMA, desceram do pedestal real para tietar os representantes da família real do Jiu-Jitsu e do MMA, Rickson, Royce e Royler.