Gaisey Challenge: Confusão entre LL e JJ marca 1º Vale-Tudo depois do Grajaú

Sete meses após a péssima luta com The Pedro, Mestre Hulk nocautearia Amaury Bitetti no “Maracanazo do Jiu-Jitsu”
No único confronto entre strikers, China e Fontinelli fizeram valer o ingresso

Realizado no dia 25 de julho de 1994 na casa de shows Ilha dos Pescadores no Rio de Janeiro, o Gaisey Challenge marcou a estréia nos ringues de Claudionor Fontinelli, Johil de Oliveira, além de mestre Hulk e The Pedro, que fizeram no evento principal uma das piores lutas da história do Vale-Tudo. O evento, que foi o primeiro realizado após a histórica vitória do Jiu-Jitsu sobre a Luta-Livre no Grajaú em 1991, teve uma confusão generalizada entre representantes das duas modalidades nos bastidores.

Uma noite tensa e que, por muito pouco, não acaba mal nesta que foi a minha primeira cobertura de um evento de Vale-Tudo para a revista KIAI.

JAPONÊS RESSUSCITA VALE-TUDO NO RIO

Depois da consagração do Jiu-Jitsu com três vitórias em cima da Luta-Livre no Grajaú em 1991, o Rio de Janeiro ficou quase três anos sem ter um evento de Vale-Tudo, até que em 1994 o empresário japonês Miura, empolgado com as vitórias de Rickson Gracie no Japan Open, resolveu fazer um evento no Brasil, em parceria com Franscisco Chagas, com vistas a descobrir talentos brasileiros. Tendo em vista o clima pesado que ainda existia entre as duas modalidades na cidade, a idéia do empresário nesta primeira edição seria não convidar representantes do Jiu-Jitsu pelo menos para lutar no ringue.

Do lado de fora, porém, os representantes da Arte-Suave estavam em numero bem maior transformando a Ilha dos Pescadores num barril de pólvora, afinal seria a primeira vez, desde o Grajaú, que as grandes lideranças da Luta-Livre, como Hugo Duarte, Denílson Maia, Marco Ruas e Eugênio Tadeu e centenas de seguidores dividiriam espaço com os maiores ícones do Jiu-Jitsu da época Wallid Ismail, Murilo Bustamante, Amaury Bitetti e Renzo Gracie  além de praticantes de Jiu-Jitsu de quase todas as academias do Rio.

A ESTREIA DE JOHIL NOS RINGUES

Sem nenhum representante oficial participando do evento, o público do Jiu-Jitsu aproveitou o evento para “secar” e torcer contra os rivais da Luta-Livre, que tinham representantes em quase todas as lutas.

 O Aluno de Hugo Duarte, Roberto “Peão” dos Santos abriu a noite levantando a galera da Luta-Livre ao vencer o representante do Kickboxing Pablo Rex com socos da montada no 2º round.

A Luta-Livre continuou seu domínio absoluto na 2º luta da noite, quando Johil de Oliveira da academia Budokan, fez sua estréia nos ringues vencendo o capoeirista Pablo de Jesus em menos de um minuto. Johil derrubou, montou e obrigou Pablo a desistir com socos. “Luta-Livre ! Luta-Livre !” gritava a torcida enquanto o pessoal do Jiu-Jitsu fazia silêncio.

O caldeirão ferveu na terceira luta, quando Álvaro Rocha, que se dizia representante do Jiu-Jitsu, pediu para parar no começo do 1º round após receber uma sequência de socos do representante do Boxe Marcio Stallone. Foi a senha para a torcida da Luta-Livre começar a provocação direta: “Eu, Eu, Eu, o Jiu-Jitsu se fudeu !”. Diante dos gritos Robson Gracie, presidente da Federação carioca de Jiu-Jitsu, pediu que o anouncer explicasse que Álvaro não era faixa marrom e nem representava a Arte –Suave, recebendo uma vaia da torcida rival. A partir daí o clima de animosidade entre as torcidas deixava claro que faltava muito pouco para uma confusão ocorrer.

FONTINELLI X CHINA: A MELHOR LUTA DA NOITE

Num evento marcado pelo baixo nível técnico de chão de todos os oponentes dos representantes da Luta-Livre, os strikers Eduardo China (Muay Thai) e Claudionor Fontinelli (Karate), fizeram valer o ingresso pago pelos quase 2 mil presentes. Fontinelli começou aplicando melhores golpes no 1º round chegando a derrubar e bater muito de  dentro da guarda de China, mas o representante do Muay Thai se recuperou no 2º round e conseguiu desestabilizar o oponentes combinando low kicks e socos. E foi numa destas sequências que China conseguiu aplicar um knock down em Fontinelli definindo o combate com socos da montada.

THE PEDRO X HULK: UM MICO COMO TRAMPOLIM

Na luta principal da noite o representante do Kickboxing Pedro Henrique Cesar, que ficaria conhecido como The Pedro, fez sua estreia no Vale-Tudo contra o representante da capoeira Sidney “Hulk” Freitas. Mostrando pouco conhecimento em pé e absolutamente nenhum conhecimento de chão, a dupla chegou a trocar alguns socos até o 3º round, com vantagem clara para Hulk, que chegou a montar em The Pedro duas vezes, mas, sem saber o que fazer, colocava-o entre as cordas e tentava apertar sua garganta e deslocar seu maxilar. Sem obter êxito Hulk passou a tentar jogá-lo para fora do ringue. Numa única oportunidade Pedro pegou as costas de Hulk em pé, mas este sem saber como se defender pulou para fora do ringue com o adversário nas costas caindo em cima da mesa dos juízes. A partir daí, Pedro abaixou a guarda e Hulk passou a não agredi-lo mais. “A gente chegou a fazer segurança juntos eu não conseguia brigar com um amigo”, justificaria The Pedro após o evento. Ao final, sob muitas vaias do público, Hulk foi declarado vencedor.

após a péssima estréia contra Hulk, The Pedro se transformaria em um dos lutadores mais experientes do cenário nacional chegando a fazer 27 lutas

CONFUSÃO E “TERREMOTO” NO INTERVALO

Mas se dentro do ringue a luta era morna, do lado de fora o clima fervia. No intervalo do 3º para o 4º round, Hugo e Denílson discutiram com Amaury e Wallid. Foi quando um faixa marrom da Barra Gracie acertou uma cadeirada em Hugo e o tempo fechou. Naquele, corre-corre centenas de cadeiras foram empurradas simultaneamente pelo público, que tentava correr para se proteger, causando um estrondo que mais parecia um terremoto. Um policial federal da Luta-Livre e outro do Jiu-Jitsu chegaram a sacar suas armas, mas graças a Deus, os dois lados chegaram a um acordo. Por incrível que pareça, o evento ainda continuou. Com mais dois rounds de mamãezada que garantiram a este confronto o título de pior Vale-Tudo da história. No final do 6º assalto, Hulk foi apontado vencedor, terminando o evento em alto astral com uma roda de capoeira em cima do ringue. Curiosamente, após esta luta, tanto The Pedro quanto Hulk passariam a treinar chão, bem como melhorar suas habilidades em pé se transformando em lutadores de verdade. The Pedro passou a ser um dos mais requisitados pesos pesados do esporte tendo lutado no Pride, IVC, UVF e M-1. Em seus 7 anos de carreira, The Pedro chegou a lutar 27 vezes conseguindo 19 vitórias.

Hulk escreveria seu nome na história sete meses depois (janeiro de 1995), no Desafio Internacional de Vale-Tudo, quando protagonizou o “Maracanazo do Jiu-Jitsu” ao nocautear na final do torneio, Amaury Bitetti, considerado o maior nome do Jiu-Jitsu daquele momento. Hulk chegou a fezer 9 lutas de MMA tendo conquistado 5 vitórias.

*Texto e fotos: Marcelo Alonso