IVC 1: A noite em que Ebenezer Braga quase nocauteou Dan Severn

Depois de ajudar Frederico Lapenda em quatro edições do WVC, Sergio Batarelli decidiu seguir vôo solo. Nascia assim o International Vale-Tudo Championship, cuja primeira edição recebeu em São Paulo nomes já consagrados no UFC, como Dan Severn, Carl Worsham e Gary Goodridge, enfrentando novos talentos brasileiros como Ebenezer Braga, The Pedro e André Cardoso.

O evento foi realizado no dia 6 de julho de 1997 no suntuoso hotel Maksoud Plaza em São Paulo para um público de apenas 500 pagantes.

Duas pedreiras do Wrestling em 4 meses 

Esta primeira edição do IVC foi marcada por um torneio absoluto de 8 lutadores (4 brasileiros e 4 americanos) e uma superfight entre a lenda do UFC Dan Severn (114kg/1,87m/39) e Ebenezer Braga (92kg/1,83m/28), que quatro meses antes, havia travado uma guerra de 20 minutos com Kevin Randleman no torneio UVF 6. 

Dan Severn que já tinha 19 lutas de MMA e apenas 3 derrotas, todas por finalização  (para Royce, Shamrock e Coleman) chegou como favorito absoluto, mas ciente de que aquele garoto que deformou Kevin Randleman no UVF 6, mesmo sendo 22kg mais leve, não lhe entregaria a vitória de mão beijada.     

E mais uma vez o primeiro lutador de Cristo da história do Vale-Tudo superou as expectativas. Já no inicio o atleta da Boxe Thai/ Budokan fintou um double leg no wrestler, que instintivamente abaixou os braços pra fazer o sprawl e recebeu um potente gancho do brasileiro. A partir daí Ebenezer não parou mais. Mais acostumado a lutar no ringue, o carioca usou muito bem as cordas para defender todas a tentativas de queda do bicampeão do UFC. Os socos entravam por todos os lados, mas a absurda capacidade de absorção da “Besta” não deixava ele cair. No final do 1º round quando o wrestler já sangrava bastante devido a um corte na boca houve uma troca franca de golpes onde Severn conseguiu abrir um corte profundo no supercílio do brasileiro, que passou a sangrar muito, levando os médicos a interromperem a luta. 

Quando o combate foi reiniciado Severn finalmente conseguiu levar a luta para o solo espremendo o brasileiro nas redes que delimitavam o ringue e, finalmente, conseguindo dar o troco com seu temido Ground and Pound. Sangrando muito e encurralado nas redes, Ebenezer obrigou Batarelli a interromper o combate decretando a vitória de Severn a 8min17s. Ainda no ringue, o americano reconheceu a atuação do brasileiro levantando sua mão para a torcida. “Ele é sem duvida um dos lutadores mais difíceis que já enfrentei e tem muito futuro”, me disse Severn na saída do ringue.     

The Pedro finaliza promessa de Coleman 

Apesar de estar estreando no Vale Tudo o parceiro de treinos de Mark Coleman, Brian Keck (120kg/1,84/25a), era favorito para vencer o torneio. Mas havia um tal The Pedro (105kg/1,89/30a) em seu caminho. 

Keck começou o combate derrubando e caindo na guarda do brasileiro. Após sobreviver a um poderoso Ground N pound, The Pedro voltou em pé, de onde passou a levar franca vantagem, quase nocauteando o wrestler em duas oportunidades. No segundo round, Keck cansou e, sem conseguiu levar o brasileiro ao solo, passou a apanhar muito. Até que aos 16 minutos conseguiu derrubar, mas acabou sendo raspado pelo representante da Budokan, que já caiu montado aplicando uma saraivada de socos no americano. Ao virar de costas, Keck acabou sendo finalizado com um mata-leão. Ovacionado pela galera, o atrapalhado The Pedro comemorou dando um mortal para trás, caindo de costas no ringue. 

No mesmo lado da chave o paraense André Cardoso (95kg/1,84m/24a) garantiria uma semifinal brasileira ao nocautear em 30 segundos o tricampeão canadense de Wrestling John Gnap (91kg/1,80/42a) à la Vitor Belfort. Após aplicar um knock down com uma seqüência de socos, Andrezão definiu a fatura com um tiro de meta.

Pesando menos de 90kg os outros dois representantes brasileiros no torneio foram vencidos rapidamente. Augusto Sergipano (90kg/1,84m/24a) conseguiu sair de uma gravata técnica, mas acabou batendo para Gary Goodridge (118kg/1,89m/31a) num crucifixo em 32 segundos. Já Aluísio Neto (85kg/1,80m/24a) sentiu a enorme diferença de peso do Ultimate Fighters Carl Worsham (105kg/1,78m/34a) e depois de levar desvantagem na trocação acabou batendo numa gravata técnica a 25 segundos de luta. 

Na semifinal brasileira André Cardoso e The Pedro travaram uma guerra de 8m41s , enquanto Goodridge finalizava Worsham numa marmelada de 48 segundos

Guerra brasileira e marmelada norte-americana na semifinal 

Na semifinal enquanto os brasileiros The Pedro e Andrezão travavam uma guerra, o canadense Goodridge e o americano Worsham faziam uma marmelada muito mal encenada, que terminou com Worsham batendo numa americana a 43 segundos de combate, recebendo uma sonora vaia do publico.              

Enquanto isso, do outro lado The Pedro começou levando a pior em pé e foi derrubado por Andrezão que já caiu montado logo chegando as costas do atleta da Bodokan. Uma armadilha que o escorregadio e “Infinalizável” The Pedro sempre gostava de fazer para cair por cima na guarda do oponente. Já havia dado certo com Keck e voltou a dar certo com André. Após aplicar uma saraivada de socos da guarda do paraense, o aluno de João Ricardo definiu a luta com uma chave de pé a 8m41s.

The Pedro chegou a grande final tendo lutado quase 28 minutos enquanto Goodridge, 13kg mais pesado, não havia lutado nem 2 minutos. Mesmo assim o brasileiro se superou, fazendo uma grande luta na final.

Foram 16 minutos de luta onde ambos se alternaram em vantagem o tempo todo. O canadense começou melhor caindo por cima, ganhando a meia guarda e quase montando no brasileiro. Mas incentivado pela torcida e muito bem orientado por seu mestre João Ricardo, The Pedro mais uma vez conseguiu escapar do ataque a suas costas e caiu por cima. Foi neste momento que Goodridge protagonizou a cena mais hilária do evento ao colocar os dois pés dentro da sunga do brasileiro. Já bastante cansado The Pedro voltou a luta de pé, mas o canadense o derrubou e, percebendo que o brasileiro já estava exaurido, começou a bater dos cem quilos. Já sem condições de supinar aqueles 118kg, como havia feito varias vezes no decorrer da luta, The Pedro resolveu desistir a 16min15s de combate. O público reconheceu e aplaudiu a raça do brasileiro de pé.  

Se esta edição não terminou muito bem para os brasileiros, a história seria bem diferente dali a dois meses, quando eu voltaria ao Maksoud Plaza em São Paulo para testemunhar a 2º edição do IVC, um torneio até 90kg onde as duas principais escolas do Muay Thai brasileiro atropelariam os representantes estrangeiros garantindo uma final nacional histórica, que consagrou o IVC mundialmente como o evento de Vale-Tudo mais real que já existiu: Wanderlei Silva (Chute Boxe) vs. Arthur Mariano (Boxe Thai).