IVC 13: Alexandre Baixinho vence três na mesma noite e consagra Ruas Vale-Tudo

Após quase 30 minutos de Vale-Tudo Alexandre Barros venceu seu terceiro oponente e faturou o cinturão até 80kg do IVC

Considerado um dos melhores torneios até 80kg já realizados no Brasil, o IVC 13 teve a presença de nomes respeitados da época como Claudinor Fontinelle, Haroldo Cabelinho, Milton Bahia e Flávio Moura. Mas quem roubou a cena foi o, então, novato discípulo de Marco Ruas, Alexandre Barros, que nocauteou seus 3 oponentes e faturou o cinturão.

Texto e fotos Marcelo Alonso

Considerada a principal plataforma de lançamento de talentos brasileiros no mercado internacional, o IVC sempre foi marcado por grandes torneios onde o campeão tinha que vencer três lutas na mesma noite. Foram nestas verdadeiras maratonas de Vale-Tudo, que escolas que não tinham tanto destaque quanto o Jiu-Jitsu na mídia da época, puderam mostrar seu valor.  

Lá surgiram nomes como Johil de Oliveira e Ebenezer (Luta-Livre); Pelé Landi e Wanderlei Silva (Chute Boxe); Pedro Rizzo e Renato Babalú (Ruas Vale-Tudo). E 

Alexandre “Baixinho” Barros (1,75m/80kg) foi outro grande talento do Ruas Vale-Tudo revelado no evento idealizado por Sérgio Batarelli.

Considerado a zebra da 13º edição do torneio até 80kg, realizado no Esporte Clube Sírio no dia 26 de agosto de 1999, Baixinho vinha de uma derrota na estréia contra Nilson de Castro da Chute Boxe, na primeira luta do torneio do IVC 11. Baixinho e Nilson lutaram por 19 minutos. A luta estava muito equilibrada até que o atleta do Ruas Vale-Tudo perdeu um dente e os médicos interromperam o confronto. 

Quatro meses depois, lá estava Alexandre abrindo o IVC 13 enfrentando o americano Lane Andrews (1,80m/85kg) em outro duelo marcado por 12 minutos de muita trocação. Com um estilo muito similar ao do mestre Ruas, Baixinho dominou as ações em pé, derrubando o oponente em três oportunidades. Até obrigá-lo a desistir com socos de dentro da guarda.

Na sequência Baixinho enfrentou o maranhense Claudionor Fontinelle (1,70m/75kg) que vinha de um belo nocaute sobre André Legendre (1,81m/80kg) após 11 minutos de muita trocação.

A experiência e agressividade de Fontinelle não foram suficientes para conter o novato do Ruas Vale-Tudo. A luta começou parelha, mas aos poucos o melhor preparo de Alexandre e suas combinações de socos com low kicks, logo começaram a fazer a diferença. Um cruzado certeiro abriria um corte no supercílio de Fontinelle, obrigando os juízes a interromperem o combate.

Na final Baixinho enfrentou outra revelação do torneio, Luiz Claudio Das Dores (1,80/80kg), aluno de Bosco (discípulo de Hugo Duarte).

Baixinho comemora o cinturão com Marco Ruas, Pedro Rizzo, Ximú, Ebenezer, Babalú e o irmão Aloisio

Luta-Livre vence Jiu-Jitsu, mas perde para Ruas VT

Para chegar a final, Luiz Claudio nocauteou Túlio Palhares (1,80m/80kg) com uma joelhada a 2min25s e, na semifinal, venceu o representante do Jiu-Jitsu Haroldo Cabelinho (1,72m/78kg), que havia finalizado Johnny Eduardo (1,70m/76kg) da Budokan (vice-campeão do IVC 7) com uma chave de joelho.

Haroldo Cabelinho não conseguiu derrubar o representante da Luta-Livre que bloqueava suas entradas de queda e ainda o golpeava duramente. Por baixo e já bastante machucado, o faixa preta da Alliance tentou várias vezes atacar a chave de joelho com a qual finalizara Jean Jaques no 4º mundial de Jiu-Jitsu e Johnny na primeira luta do torneio. Das Dores, porém, defendeu todas as tentativas caindo do lado do oponente em posição favorável para acertar seu rosto. Resultado: aos 10min26s de luta o rosto de Cabelinho já se encontrava completamente deformado e o juízes tiveram que interromper o combate.

Na grande final Claudinho (Luta-Livre) e Alexandre (Ruas) fizeram a melhor luta do torneio. Demonstrando um excelente nível em pé, Das Dores começou trocando de igual para igual com Baixinho. Aos poucos, porém, as combinações de socos e low kicks começaram a fazer a diferença e numa dura combinação de golpe Baixinho abriu um corte no supercílio do oponente. Com o pulso machucado e sangrando muito, Das Dores pediu para parar e Baixinho foi declarado vencedor.