IVC 4: Arsdale enfileira 3 brasileiros e promove “Maksudazo”

Após conquistar o cinturão do IVC, Arsdale estrearia no UFC 17 com vitória, só amargando sua primeira derrota no MMA para Wanderlei Silva, que roubou seu cinturão no IVC 6

Um ano após a vitória de Kerr sobre Gurgel, outro wrestler cala a platéia do hotel Maksoud Plaza ao vencer três brasileiros numa noite e faturar o cinturão dos pesados do IVC 4, realizado no dia 7 de fevereiro de 1998

Texto e fotos Marcelo Alonso

Fazendo uma analogia com o futebol, a derrota de Fábio Gurgel, faixa preta e grande ícone do Jiu-Jitsu brasileiro, para o wrestler Mark Kerr na final do torneio WVC 3 (realizado no hotel Maksoud Plaza em Janeiro de 1997), equivaleu no mundo do Jiu-Jitsu a uma espécie de Maracanazo (a derrota do Brasil para Uruguai no Marcanã na final da Copa de 50). Um ano depois Sérgio Batarelli, já separado de Frederico Lapenda (promotor do WVC), voltou a realizar um torneio de Vale-Tudo sem limite no mesmo Maksoud Plaza.

Mais uma vez o público paulista lotou as dependências do hotel para assistir a outra aula de Ground N´Pound, desta vez ministrada por outro respeitado wrestler americano, Mike Van Arsdale. Mesmo sem nunca ter participado de um evento de Vale-Tudo, o parceiro de treinos de Mark Coleman, chegava como favorito, junto com dois compatriotas americanos Bob Gilstrap (aluno de Maurice Smith, que acabara de derrotar Coleman no UFC) e o experiente Jason Godsey.  

Desta vez o Brasil não teria nenhum faixa preta renomado e sim por quatro zebras: o então estreante Alexandre Cacareco (Luta-Livre), Dario Amorim (Muay Thai), Francisco Nonato e Marcelo Barbosa (ambos faixas roxa de Jiu-Jitsu).

Triturando faixas roxas

Logo na primeira luta Mike Van Arsdale (96kg/1,88m) colocou para baixo o faixa roxa, campeão amazonense de Jiu-Jitsu, Francisco Nonato (103kg/1,90m), passou sua guarda e o finalizou com uma americana a 5min42.

Na sequência Arsdale enfrentaria o vencedor da luta entre o experiente wrestler americano Tim Catalfo (105kg/1,78m), de 37 anos e a revelação da Luta-Livre brasileira, Alexandre Cacareco (100kg/1,74m), que fazia sua estréia no MMA com 19 anos. Carareco defendeu bem duas quedas, mas acabou caindo por baixo e não resistiu a pressão do wrestler, que aos 9 minutos chegou a montada. O brasileiro acabou desclassificado por colocar o dedo no olho do oponente. 

Como Catalfo se machucou, Marcelo Barbosa, que havia finalizado Guaracy Pereira num combate alternativo, foi convocado para enfrentar Arsdale nas semifinais. Não deu nem para o começo. O aluno de Coleman derrubou e obrigou o faixa roxa a desistir com socos da meia guarda aos 3min46s.

AMORIM X GILSTRAP: 30 MINUTOS DE GUERRA

Com a contusão de Catalfo, Arsdale acabou chegando inteiro à final. Enquanto isso, do outro lado da chave, o aluno de Luiz Alves, o estreante Dario Amorim (97kg/1,85m), travava duas batalhas com americanos.

Logo na primeira luta Amorim enfrentou Jason Godsey (105kg/1,88m), que já tinha no currículo vitórias sobre o rei do Pancrase Yuki Kondo, além de Yoshiki Takahashi. Assim que a luta começou Jason derrubou Dario, que após levar uma violenta sequência de socos, caiu para fora do ringue. 

Quando voltou, porém, o aluno de Luiz Alves surpreendeu o oponente e o acertou com uma combinação de socos e chutes, o obrigando a desistir a 3min de luta com socos da montada.

O oponente de Dario na semifinal se definiu de maneira rápida. Aluno de Maurice Smith, Bob Gilstrap (97kg/1,88m), que vinha de vitória no evento havaiano Super Brawl, não teve dificuldades para derrubar o baiano Lucas Silva (96kg/1,88m) e definir o combate com socos.

A semifinal entre os strikers Dario e Gilstrap foi sem dúvida a melhor luta da noite. Foram 30 minutos ininterruptos de trocação, que levantaram a galera. Bob começou em vantagem, quase nocauteando o aluno de Luiz Alves nos minutos iniciais, mas com o apoio da galera, Dario repetiu a virada da primeira luta. Depois de encaixar uma boa sequência e aplicar um knock down no aluno de Smith, Amorim chutou seu rosto, passou sua guarda, montou e quase encaixou um mata-leão. 

Muito guerreiro Gilstrap saiu de todas as posições e também mereceu os aplausos da galera. Muitos cansados e machucados os dois terminaram o combate trocando socos sem pressão. No final os jurados decidiram em favor de Dario, que saiu do ringue aplaudido por Maurice Smith e Mark Coleman.

Depois de 30 minutos de guerra, Amorim teve menos de meia hora para se recuperar e voltar ao ringue para enfrentar Mike Van Arsdale. Obviamente não deu nem para o começo. Dario conseguiu se defender bem de duas tentativas de queda, mas na terceira foi arremessado e caiu com o ombro no chão, pedindo que o juiz interrompesse o combate a 2min42s de luta. Diante de uma silenciosa platéia que parecia relembrar o trauma de Gurgel no ano anterior, Mike recebeu o cinturão de campeão do IVC das mãos do promotor Sérgio Batarelli. Ao final do evento, ao responder uma pergunta que fiz sobre sua habilidade no chão (ao finalizar Nonato), fez questão de alfinetar os rivais do Jiu-Jitsu. “Vencer o Jiu-Jitsu não tem mistério. É só observar, não preciso praticá-lo”.   Assim como Kerr, que após vencer o IVC foi levado ao UFC, Arsdale fez sua estreia no evento americano três meses após a vitória sobre Dario, vencendo Joe Pardo em 11 minutos de luta, novamente com uma Kimura.

Sua primeira derrota ocorreria em agosto do mesmo ano, quando foi nocauteado por Wanderlei Silva no IVC 6.    

Depois da derrota para Wanderlei, Arsdale conseguiria mais 4 vitorias entre 2002 e 2005, até perder para Randy Couture, Renato Babalu e Matt Lindland (todas finalizado no chão) parando de lutar MMA 2006.