Home Blog

Ulysses Pereira entrega tática de Acelino Popó para luta contra Bambam

0

Treinador de Acelino Popó, Ulysses Pereira foi o convidado do CONEXÃO PVT desta quarta-feira. Além de falar da luta de seu atleta contra Kleber Bambam, que acontece no próximo sábado, no Fight Music Show, o veterano relembrou trabalhos com Vitor Belfort, Maurício Shogun, Wanderlei Silva e, mais recentemente, Paulo Borrachinha.

Poatan e Borrachinha se dispõem a lutar no UFC Rio

0
Mesmo com pouco tempo de intervalo até o UFC Rio, Poatan e Borrachinha querem lutar no evento

O UFC 298 do último sábado teve muita repercussão no mundo do MMA, mas para os fãs brasileiros foi um anúncio de Dana White que gerou mais discussão. O mandatário do Ultimate anunciou Alex Poatan contra Jamahal Hill no UFC 300, em vez de marcar para o UFC 301, no Rio de Janeiro. Nas redes sociais, os fãs brasucas debateram: que milagre salvaria o UFC Rio, sem ao menos um dos três lutadores brasileiros mais populares atualmente: Charles do Bronx, Alex Poatan e Paulo Borrachinha? A boa notícia é que pelo menos dois deles se colocaram disponíveis para o evento, dependendo apenas da liberação médica.

“Depois de 18 meses, estarei de volta logo. Meu ano acabou de começar. Em dois meses, estarei atuando novamente, e melhor”, disse Borrachinha (1,5 milhão de seguidores no Instagram) em um vídeo em seu quarto de hotel logo após o UFC 298, poucas horas depois da guerra de 15 minutos em pé contra Robert Whitaker. Mesmo sem falar abertamente sobre o UFC 301, a data deixou claro que Paulo está interessado em ouvir uma proposta, caso o UFC precise dele no card.

Mesmo com pouco tempo de intervalo até o UFC Rio, Poatan e Borrachinha querem lutar no evento

Algumas horas depois de Costa, Alex “Poatan” Pereira (2,3 milhões no Instagram) publicou um vídeo em seu canal no YouTube deixando claro que, se não se machucar contra Hill no UFC 300, ficaria feliz em lutar novamente no UFC Rio.

“Nós falamos muito sobre minha participação no UFC Rio. Estava quase certo, mas não aconteceu. Uma vez que o UFC gosta de me ver lutando, acho que há uma possibilidade de me manter no UFC 301. Se tudo correr bem e eu não me machucar no UFC 300, com certeza eu pediria isso. Mas vamos dar um passo de cada vez”, terminou Poatan, confirmando o vídeo que Jamahal Hill havia publicado algumas horas antes. Nele, o americano dizia que até a última sexta-feira tinha certeza de que ambos se enfrentariam no UFC 301, até o UFC dizer a ele que a luta foi transferida para o UFC 300.

O PVT também entrou em contato com Diego Lima para verificar se o terceiro elemento, Charles do Bronx – no momento o lutador brasileiro mais popular (7,2 milhões no Instagram) – tinha o mesmo interesse.

“Na verdade, nem cogitamos isso com o UFC depois que Poatan foi anunciado no UFC 300. O UFC sempre deixou claro para nós que o Charles era muito importante para o UFC 300, então nem cogitamos isso”, revelou Lima.

Outra possibilidade de evento principal para o UFC 301 também depende da liberação médica, uma vez que a única defesa de título que faria sentido para Alexandre Pantoja seria contra Brandon Moreno, no caso de o mexicano não se machucar contra Brandon Royval no próximo sábado.

Karate Combat estreia no México com ex-UFCs e trio brasileiro em ação

0
Brasileiros estarão em ação no tablado do Karate Combat - Divulgação

A edição 44 do Karate Combat acontecerá nesta sexta-feira (23), e marcará a estreia da organização em solo mexicano. O card da Cidade do México virá recheado com a participação de quatro ex-lutadores do UFC, além dos brasileiros Bruno Assis, Rafael Alves e João Miyao em ação.

Brasileiros estarão em ação no tablado do Karate Combat – Divulgação

O evento poderá ser assistido ao vivo e grátis no Youtube oficial do Karate Combat, a partir das 21h (horário de Brasília).

‘Prata da casa’, Assis enfrentará o mexicano Alejandro Flores, pela divisão dos leves (até 68kg), no coevento principal da noite. O lutador paulista vem de vitória sonora sobre o vietnamita Tim Ha, na edição 42, em novembro do ano passado. Flores teve passagem pelo PFL e debutará pela organização.

“Estou (no Karate Combat) desde 2019 e sempre enfrentei os melhores. Então será apenas mais um dia de trabalho. A minha pretensão continua a mesma: conquistar o cinturão. Sei que ele (Flores) é um cara experiente. Mas a minha vivência no pit (arena de luta) certamente fará a diferença”, afirmou Assis.

O paraense Rafael Alves também estreará. Atualmente radicado nos Estados Unidos, chegou ao UFC pelo ‘Dana White Contender Series’ há quatro anos, mas posteriormente venceu apenas uma de três lutas pela organização e acabou dispensado. Ele enfrentará o experiente Efrain Escudero (México), na categoria meio-médio (até 75kg).

O evento principal da noite será na divisão dos galos (até 61kg). O mexicano Eric ‘Goyito’ Perez, que também teve passagem pelo UFC, enfrentará o ex-campeão da categoria, o irlandês Eoghan Chelmiah, que buscará recuperação após perder o cinturão para o russo Myrza Tebuev, em novembro do ano passado.

Novidade

João Miyao será o terceiro brasileiro em ação. Ele enfrentará o norte-americano Ricky Simon. O paranaense é multicampeão mundial de jiu-jitsu e estará na ‘Pit Submission Series’, uma nova liga de luta agarrada desenvolvida e inserida dentro da programação dos eventos do Karate Combat, que dará oportunidade para ‘grapplers’ de alto nível se testarem na arena de luta da competição.

O pit (ou fosso, em português), conta com paredes anguladas em 45 graus e livres para serem usadas, para multiplicar as opções de ações, posições e finalizações.

O outro combate desta série trará o australiano Craig Jones, outra ‘estrela’ do jiu-jitsu moderno. Ele medirá forças com o norte-americano Phil Rowe.

PAPO DE LUTA faz raio-x do UFC 298 e analisa os anúncios e possibilidades dos UFCs 300 e 301, no Rio

0

O PAPO DE LUTA de hoje trouxe um raio-x dos principais destaques do UFC 298, uma análise as possibilidades para o card do UFC Rio e o anúncio de Poatan x Hill para o UFC 300, além dos pitacos do evento do próximo sábado e uma homenagem ao mais novo hall da fama do UFC, Wanderlei Silva.

Daniel Acácio deixa Brazilian TKO e se junta à equipe CheckMat: “Novo ciclo”

0

Após anos de contribuição com a Brazilian TKO (antiga Evolução Thai) de André Dida, em Curitiba, Daniel Acácio está mudando de ares. O grande nome do Vale Tudo migrou para a CheckMat, na filial de Colombo, também no Paraná. Acácio será o responsável pelos treinos de MMA e no gi do time.

Em seu perfil no Instagram, Acácio fez uma postagem comunicando a novidade, e mandou para o PVT o vídeo abaixo, ao lado dos treinadores Sebastian Lalli e Leandro Laco.

Jhonata Diniz tem estreia marcada no UFC

0
Brasileiro estreia no UFC em abril - Divulgação

Contratado pelo UFC após uma ótima atuação no Dana White’s Contender Series no ano passado, o brasileio Jhonata Diniz já tem data e adversário para a sua estreia no octógono mais famoso do mundo: ene enfrenta o norte-americano Austen Lane no dia 24 de abril, em Las Vegas.

Brasileiro estreia no UFC em abril – Divulgação

“A assinatura com o UFC foi o maior passo da minha carreira. Trabalhamos muito forte para trazer esse contrato para o Brasil. Participei de uma seletiva onde não bastava apenas ganhar; eu precisava convencer o Dana White de que sou um atleta de nível para estar entre os maiores lutadores do mundo no UFC”, relembrou Diniz.

Em preparação para a luta, que acontece em um UFC Fight Night, o peso leve paranaense foi a São Paulo treinar com o ex-campeão da categoria no UFC Charles Do Bronx. A preparação tende a ser intensa, já que do Bronx luta duas semanas antes, na histórica edição do UFC 300, contra Arman Tsarukyan.

Com um cartel de 27 vitórias no kickboxing profissional, 6 vitórias por nocaute no primeiro round no MMA profissional e 25 vitórias em 25 lutas no muay thai e kickboxing amadores, Diniz é reconhecido como um lutador versátil e promissor, uma verdadeira força a ser enfrentada no octógono.

ADXC 3: Jennifer Maia empurra pressão para Bia Mesquita

0
Jennifer Maia está confirmada no card do ADXC 3 - Divulgação/UFC

Depois de defender a bandeira do Brasil por cinco anos no octógono mais famoso do mundo, Jennifer Maia retorna a um cage no ADXC 3, marcado para 2 de março, em Balneário Camboriú-SC. Entretanto, em vez das luvas de quatro onças, a ex-desafiante ao cinturão do UFC vai vestir a rash guard para um desafio de grappling contra a campeoníssima no jiu-jítsu Bia Mesquita, na luta coprincipal do evento.

Jennifer Maia está confirmada no card do ADXC 3 – Divulgação/UFC

Apesar das mais de 30 lutas de MMA feita ao longo dos quase 15 anos de carreira, tendo vencido 24% delas via finalização, Jennifer Maia entende que Bia Mesquita, que já foi campeã do Abu Dhabi World Pro em três oportunidades, carrega a pressão neste duelo, muito por conta de todas as suas conquistas na modalidade.

“Estou muito feliz e motivada para este desafio. Eu não esperava que fosse contra ela (Bia Mesquita), tive até que confirmar no google que ela era ela mesmo (risos). Pela minha história no MMA, sempre tem uma pressão para defender o meu legado, mas me vejo indo sem obrigação, porque é uma área em que ela é mais forte, é uma supercampeã”, explica a curitibana.

Ainda assim, Jennifer Maia rechaça a possibilidade de entrar confortável no combate, e lista alguns pontos a seu favor neste desafio.

“Eu tenho muito repertório, muita experiência e vou imprimir o meu jogo, impor muito giro. A experiência que eu adquiri no MMA vai me ajudar a não deixá-la na zona de conforto. Até comentei com o meu treinador que esse ambiente (cage), o fato da luta ser dividida por rounds, pela experiência que eu tenho, contam a meu favor”, lembrou Jennifer.

Vale citar que Jennifer Maia fez uma luta de grappling recentemente, logo após deixar o UFC, então não será uma experiência tão nova assim.

“Foi gostoso lutar sem aquela pressão do MMA”, afirmou.

Por falar em MMA, Jennifer não confirma a aposentadoria definitiva, mas também não garante seu retorno.

“Por enquanto ainda não senti vontade de voltar. Precisa dar um tempo para casa. São 20 anos me preparando, baixando peso para lutar, então quis dar essa pausa. Mas ao mesmo tempo me senti sem foco, pois sempre fui atleta. Por isso, quando essa oportunidade no ADXC surgiu, eu fiquei muito empolgada”, destacou.

Todas as lutas do ADXC 3 serão transmitidas ao vivo pela plataforma de transmissão online TX7. Confira abaixo todas as lutas já confirmadas oficialmente no evento.

ADXC 3

2 de março, Balneário Camboriú (SC)

LUTA PRINCIPAL COM QUIMONO

Bruno Lima x Jansen Gomes

LUTA PRINCIPAL SEM QUIMONO

Bia Mesquita x Jennifer Maia

CO-LUTA PRINCIPAL COM QUIMONO

Fellipe Andrew x Rayron Gracie

CO-LUTA PRINCIPAL SEM QUIMONO

Roberto Abreu “Cyborg” x Henrique Ceconi

CARD PARCIAL

Gutemberg Pereira x Pedro Lucas

Samuel Nagai x Israel Almeida

Fabricio Andrey x Ruan Alvarenga

Júlia Alves x Ana Schmitt

Jonatas Gracie x Levi Jones-Leary

Lucas Protásio x Pedro Maia

Fernando Santos x Seilkhan Bolatbek

Zayed Alkatheeri x Oziel Santos

João Zeferino x Bruno Antonietta

UFC 298: Mano Santana comenta vitórias de Topuria sobre Volkanovski e Whittaker sobre Borrachinha

0

O UFC 298 foi marcado pelo nocaute de Ilia Topuria sobre Alexander Volkanovski e a consequente troca de coroa nos pesos-penas; pela vitória de Robert Whittaker sobre Paulo Borrachinha, por decisão unânime; pela guerra entre Amanda Lemos e Mackenzie Dern, triunfada pela paraense; e pela vitória de Merab Dvalishvili sobre Henry Cejudo. Especialista em striking, o karateca Mano Santana foi o convidado do DEPOIS DO GONGO desta edição.

Atletas do Botafogo Judô representam a seleção brasileira na Europa

0
Gelson e Julia são o Botafogo e o Brasil na Europa - Divulgação

Dois atletas do Botafogo Judô representarão a seleção brasileira na Europa em março: Gelson Ricken (sub-18) e Julia Ramos (sub-21), em Porec, na Croácia, e Bad Blankenburg, na Alemanha, respectivamente.

Gelson e Julia são o Botafogo e o Brasil na Europa – Divulgação

“O judô brasileiro é um dos mais fortes do mundo e temos um processo de qualificação árduo para atletas nas classes de transição dentro do país para que possam representar o Brasil”, destacou Marcelo Almeida, treinador do Botafogo.

“O Botafogo está fazendo um trabalho sério, com atletas formados por seus treinadores, e já na sua segunda temporada começa com dois representantes na seleção brasileira”, complementou Almeida.

Além das competições na Europa, que funcionarão como um estágio técnico, o mês de março será marcado pelo início das competições estaduais. E, segundo o preparador físico Eduardo Pires, os judocas do Botafogo virão com força total.

Wanderlei Silva aceita desafio de Quinton Rampage e avisa: “Vou te pendurar nas cordas de novo!”

0

Considerada uma das maiores rivalidades da história do MMA, com quatro lutas (duas vitórias para cada lado), parece que Wanderlei Silva e Quinton “Rampage” Jackson estão negociando a realização de um quinto confronto, desta vez sob as regras do boxe. Tudo começou quando Rampage, que estreia no boxe contra Shannon Briggs em 1º de junho, declarou no “The MMA Hour”, que gostaria de enfrentar no ringue dois antigos rivais: Rashad Evans e Wanderlei Silva. Poucos dias depois, o “Axe Murder” respondeu com um vídeo em seu Instagram: “Prepare-se, Quinton Jackson, seu tempo está chegando. O desafio está mais do que aceito, e ‘Wand’ vai te pendurar no varal novamente”.

(Foto: Susumu Nagao)

A longa rivalidade entre Rampage e Wanderlei começou no Pride 25, em uma cena emblemática em que, logo após nocautear Kevin Randleman, Quinton desafiou o campeão no microfone e Wanderlei imediatamente entrou no ringue e o empurrou. Os dois se enfrentaram oito meses depois pela primeira vez na grande final do Pride GP em 2003. Para chegar à final, Wanderlei nocauteou Sakuraba pela terceira vez e venceu por decisão Hidehiko Yoshida na semifinal, enquanto Rampage eliminou Murilo Bustamante (decisão dividida) e Chuck Liddel (TKO).

Wanderlei nocauteando Rampage, deixando-o pendurado entre as cordas em um dos nocautes mais notáveis da era do Pride (Foto: Susumu Nagao)

Na grande final, o brasileiro nocauteou Rampage aos 6 minutos e 28 segundos do 1º round. Mas após vencer Minowa e Arona nas edições seguintes, Rampage conquistou o direito de enfrentar o campeão novamente onze meses depois. Desta vez, o americano começou melhor e conseguiu impor seu ground and pound no primeiro round, mas no segundo, Wanderlei se recuperou e nocauteou Rampage, deixando-o pendurado entre as cordas em um dos nocautes mais notáveis da era do Pride.

Com o fim do Pride em 2007, os dois se enfrentaram novamente no UFC em 2008, no UFC 92, quando Rampage nocauteou seu rival aos 3 minutos e 21 segundos do primeiro round. O empate aconteceria dez anos depois, em 2018, em uma super luta no Bellator 206 vencida pelo americano por nocaute técnico no segundo round.

Aos 45 anos e com 52 lutas de MMA em sua carreira (38 vitórias e 14 derrotas), o ex-dono do cinturão dos meio-pesados do UFC, Quinton Jackson, está prestes a estrear no boxe profissional. O duelo será contra Shannon Briggs, ex-campeão peso pesado de boxe, em uma luta de oito rounds em 1º de junho, no Catar. Em dezembro de 2019, Quinton teve sua última luta, na qual foi derrotado por nocaute técnico por Fedor Emelianenko, no Bellator 237.

Aos 47 anos e com 51 lutas de MMA em sua carreira (35 vitórias e 14 derrotas), Wanderlei subiu ao octógono pela última vez em setembro de 2018, quando foi derrotado por Quinton “Rampage” Jackson no Bellator.

Siga o PVT

55,000FansLike
51,000FollowersFollow
155,000SubscribersSubscribe