Acusado de agredir ex-esposa, Wallace Angolano se defende e critica “condenação antecipada” de público e mídia

0
147

Por Alan Oliveira

Na última quarta-feira, dia 4, Maria da Guia Lopes prestou na 10ª DP, em Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro, queixa de agressão contra Wallace Carvalho Lopes, lutador de MMA conhecido como Wallace “Angolano”. Segundo a esteticista, ela estava com o filho no colo quando o ex-marido a espancou depois de uma discussão sobre a guarda da criança. Em entrevista ao PVT, Angolano deu sua versão do caso, amplamente divulgado pela mídia.

Angolano não luta desde julho de 2022, quando foi derrotado no LFA 136. Em novembro, sofreu lesão no joelho (Foto: Instagram)

“Primeiramente obrigado por vocês do PVT me procurarem. Vários veículos disseram que me procuraram para eu dar minha versão, mas é mentira. Sobre a agressão, nós discutimos sim. Ela estava com nosso filho no colo? Sim. Mas a verdade é que ela me deu um soco na cara, e no reflexo fui me defender e atingi a boca dela. Então ela disse na hora: “você ‘tá’ f*dido!'”, explicou Wallace.

Segundo o portal G1, a juíza Flávia Fernandes negou o pedido de prisão de Wallace, afirmando que, apesar dos “fortes indícios de autoria e pela prova da existência do crime”, não resta “evidente a periculosidade do acusado, haja vista não haver notícia de outras agressões físicas anteriores, nem que represente grave ameaça para a sociedade se permanecer em liberdade ou que possa dificultar a instrução criminal por intimidação das testemunhas”. Porém, a juíza adotou outras medidas, como distância mínima de 300 metros da vítima e uso de tornozeleira eletrônica. Sem ter ainda sido condenado pela Justiça, o lutador lamenta o jugamento antecipado da população e os efeitos nocivos da acusação.

“Eu fui entregar o menino eram quatro e pouca da tarde. Ele já chegou me agredindo, me xingando, me dando soco na cara. Ele quebrou meu dente, ficou todo ensanguentando”, disse Maria ao G1 e à Polícia (foto: reprodução TV Globo)

“Sempre tem que ouvir dois lados. Mas, hoje em dia, uma mulher diz que foi agredida e o homem já está condenado pelo povo, pela mídia, sendo que a maioria que julga nem estudou Direito na vida, e mesmo sem estudar todo mundo sabe do direito de defesa. A própria juíza não aceitou pedido de prisão por eu não ter histórico de agressão física. A juíza suspendeu o direito de ver meu filho, estou sendo ameaçado de morte, perdi patrocínios, fui expulso da minha academia. Estou aqui na minha comunidade – Nova Jersei, em Paciência, Zona Oeste – sem poder nem treinar, até porque tenho que operar o joelho. Minha carreira está ameaçada, e quando eu for julgado e inocentado, não vai sair em lugar nenhum”, reclama o carioca.

Recentemente, outro caso de agressão chamou a atenção do mundo do MMA. Dana White deu um tapa na esposa após ter sido agredido por esta. Wallace vê diferenças nos episódios, além de afirmar que a ex-mulher age de má-fé por ciúmes.

“Dana revidou, eu não revidei. No caso do Dana tinha câmera, e eu gostaria muito que tivesse no meu caso, porque todos veriam que sou inocente. Mas só eu e ela sabemos que não a agredi, mas ela está determinada em me prejudicar. Uma mulher agredida tem sim que ir à delegacia, dar parte, buscar proteção. Mas ela me ofendeu verbalmente várias vezes antes, dei parte na delegacia quando saí de casa em outubro, e nada aconteceu. Eu iria ser agredido com soco, iria dar parte, e nada aconteceria. Já quando eu a agredi sem querer, no reflexo, de defesa, não de ataque, estou sendo crucificado. Isso não é justiça”, finalizou Angolano.