Formada nos tatames da LBV, judoca do Complexo do Alemão retorna à escola como instrutora

0
59
Pietra Rocha é instrutora da turma de judô da escola da LBV - Divulgação

Pietra Rocha tinha o sonho de ser uma bailarina clássica, mas, aos seis anos de idade, quando foi apresentada ao judô no Centro Educacional José de Paiva Netto, no bairro de Del Castilho, no Rio de Janeiro, onde se formou aos 15, decidiu trocar o tutu (nome dado à vestimenta do ballet) e o tablado por kimono e tatame.

Pietra Rocha é instrutora da turma de judô da escola da LBV – Divulgação

Hoje aos 22 anos e com a faixa-marrom amarrada na cintura – pelo menos até dezembro, quando fará o exame de faixa-preta -, a jovem moradora do Complexo de Favelas do Alemão retornou ao Centro Educacional José de Paiva Netto, tradicional escola da Legião da Boa Vontade, contratada como instrutora de esporte.

“Comecei no judô assim que eu entrei na escola. De início eu não queria, mas meus amigos me incentivaram. Até hoje lembro da primeira aula. Meu professor, o Sérgio Euzébio, me ensinou uma técnica e com essa técnica eu derrubei a turma inteira (risos);e ele perguntou: tem certeza que você nunca treinou isso? (risos)”, lembra.

“Hoje eu posso dizer que o judô é praticamente tudo na minha vida, me abriu portas e agora eu posso transmitir todos os ensinamentos que eu recebi a outras crianças que estudam lá. O judô me deu estudo e uma profissão e eu quero retribuir”, destaca Pietra, que foi a primeira menina a treinar e a competir pela escola da LBV.

Atualmente a turma de judô do Centro Educacional José de Paiva Netto é composta por 130 alunos que, apoiados por Rádio Brasil e Prime Esportes, representam a bandeira da LBV nas competições. A escola, que completou 28 anos em março, possui 700 alunos e serve mais de 3 mil refeições diariamente. Agora na posição de instrutora, Pietra afirma estar comprometida em compartilhar seus conhecimentos às novas gerações.

“Eu sempre me inspirei muito nos meus professores, então, hoje, se chegar a metade do que eles foram para mim, eu já serei muita coisa. Eu tento retribuir para os novos alunos todo o carinho que recebi ali ao longo da minha jornada como aluna, dos professores aos funcionários da limpeza, de todos mesmo”, enfatiza.

Através do judô ensinado na escola da LBV, crianças e jovens aprendem a lidar com a competitividade de forma saudável, desenvolvendo o espírito esportivo e o respeito mútuo. A prática regular dessa arte marcial contribui para a melhoria da saúde física e mental, promovendo o bem-estar e a qualidade de vida.

Além disso, o judô proporciona oportunidades de inclusão social, permitindo que crianças de diferentes origens e realidades se encontrem em um ambiente de aprendizado e crescimento conjunto, preparando os praticantes para enfrentar os obstáculos da vida com determinação e equilíbrio emocional.