Brasileiro fala sobre evolução do Jiu-Jitsu no Catar e apoio da população local: ‘Não para de crescer’

Fabrício Moreira é faixa-preta há 14 anos - Foto: Divulgação
Fabrício Moreira é faixa-preta há 14 anos – Foto: Divulgação

Faixa-preta de Jiu-Jitsu desde 2006, Fabrício Moreira tem um trajetória de respeito dentro do esporte. Campeão do Europeu e do Pan da International Brazilian Jiu-Jitsu (IBJJF) , o brasileiro hoje reside em Doha, no Catar, e ensina a modalidade para as Forças Armadas do país cede da próxima Copa do Mundo, em 2022.

Diretor do programa que levou o Jiu-Jitsu para o país, que hoje dá oportunidade profissional para mais de 70 faixas-pretas, Fabrício comenta como o esporte é tratado do outro lado do mundo e como pretende propagar ainda mais a arte suave por lá.
“O Jiu-Jitsu em Doha está ganhando muito força, tanto no setor esportivo como na área de defesa pessoal. Nós temos um respaldo muito grande da população local. Quanta a valorização profissional, eu me sinto muito feliz e honrado em poder fazer parte da evolução pessoal e profissional de tantas pessoas através de um esporte, que é grande parte da minha vida”, explica Fabrício, que também é faixa-preta de Judô e possui um diploma de Ensino Superior em Engenharia.
Com um currículo estruturado em torno do Jiu-Jitsu esportivo e da defesa pessoal, o grupo das Forças Armadas logo se multiplicou. Esse interesse pelo Jiu-Jitsu levou a sala de aula a crescer em números de praticantes, com Moreira expandindo a equipe para um corpo enorme de treinadores de Jiu-Jitsu em 2018.
Por conta da popularização do esporte e da didática aplicada por Fabrício, este programa contratou alguns dos melhores atletas e professores do esporte, incluindo nomes como Vitor Honório e Rodnei Barbosa. O bom desempenho logo tomou grandes proporções e agora é conhecido como um dos programas mais fortes do Oriente Médio.
“A equipe está em evolução. Nós fomos muito bem no Europeu e vamos bem forte no Brasileiro. Os projetos sociais do Brasil são grande parte deste sucesso também. O Jiu-Jitsu começou a pegar força no ano de 2012 com um grupo de Sheiks, que se interessaram pelo esporte e até hoje são os pilares mais fortes desta modalidade aqui “, conta.
Dono de uma rotina recheada de compromissos com aulas, Fabrico não deixa de cuidar do seu corpo e tem sua rotina bem elaborada. A rotina… Tem início ás 5 horas da manhã de Doha.
“A rotina de treino é bem corrida, pois sou uma pessoa muito atarefada com as minhas empresas. Mas faço minha parte física todas as manhãs e procuro treinar Jiu-Jitsu três vezes por semana na parte da noite, fora dos períodos de competição”, encerra.