Brasileiros vencem duas e Craig Jones ‘desbloqueia’ novo golpe de jiu-jitsu na estreia do Karate Combat no México

0
105
Craig Jones finalizou com um triângulo utilizando a parede como apoio - Divulgação

A Cidade o México recebeu a edição 44 do Karate Combat no final de semana. A estreia da organização em terras mexicanas foi repleta de boas lutas e até ‘novos’ golpes de jiu-jitsu. João Miyao, Rafael Alves e Bruno Assis foram os brasileiros em ação.

Craig Jones finalizou com um triângulo utilizando a parede como apoio – Divulgação

Miyao enfrentou o norte-americano Ricky Simon pela ‘Pit Submission Series’, a nova liga de luta agarrada inserida nos eventos do Karate Combat, que conta com regras de submission. O atleta paranaense encaixou uma chave de pé e finalizou o adversário em pouco menos de um minuto.

No outro desafio de grappling da noite, a estrela australiana Craig Jones encarou Phil Rowe e ‘desbloqueou’ um novo golpe. Ele usou uma das paredes inclinadas do pit – que de acordo com as regras são totalmente liberadas – como apoio para encaixar um triângulo (estrangulamento com as pernas), que obrigou o oponente a bater em desistência.

Estreante da vez, o ex-UFC Rafael Alves enfrentou o veterano mexicano Efrain Escudero, na divisão dos meio-médios (até 75kg). Com fortes chutes nas panturrilhas e socos precisos, o paraense dominou ações desde o começo. Escudero teve alguns bons momentos, mas o brasileiro visivelmente foi mais eficiente até o round final.

Os árbitros não se convenceram e deram empate, o que nas regras do Karate Combat leva ao round extra. Alves novamente conseguiu se impor e finalmente foi declarado vitorioso por decisão unânime.

“Estou muito grato pela oportunidade de lutar no Karate Combat. É algo novo pra mim, e esse foi apenas o primeiro de muitos passos vitoriosos que darei na organização. Podem ter certeza que farei história aqui”, afirmou o brasileiro.

Bruno Assis fez o coevento principal da noite contra o experiente mexicano Alejandro Flores, pela categoria leve (até 68kg). Morna desde o início, a luta teve poucos momentos de trocas francas de golpes.

Conhecido pela agressividade no pit, o paulista se mostrou passivo demais e teve dificuldades para encontrar a distância frente a um adversário dinâmico e com boa movimentação. Flores aproveitou as oportunidades para acertar os melhores golpes e convenceu os árbitros de que merecia a vitória por pontos.