Campeã do Invicta, Jessica Delboni relembra quando quase parou de lutar e cogita UFC

0
195
Jessica Delboni conquista cinturão do peso átomo do Invicta (Foto: Invicta FC)
Jessica Delboni conquista cinturão do peso átomo do Invicta (Foto: Invicta FC)

Em janeiro deste ano, Jessica Delboni conquistou o cinturão do peso átomo do Invicta FC, vencendo Alesha Zappitella, mas essa história poderia ter sido diferente. Não muito tempo antes, em maio de 2021, a brasileira perdia para a mesma Zappitella numa decisão muito contestada, até mesmo pela dona do evento, Shannon Knapp. Em entrevista ao PVT, Jessica confidenciou que naquele momento a decepção era tão grande que considerou parar de lutar, pelo menos por um tempo. Porém, a força dada pelo seu mestre, Gilliard Paraná, foi fundamental para que continuasse.

“Antes da luta contra Alesha, duas lutas minhas no Brasil tinham sido canceladas. Então eu já vinha frustrada por fazer dois camps para lutas que não aconteceram, e ainda perdi uma luta em que todos nos bastidores disseram que eu havia vencido. Falei então com meu mestre que queria descansar um pouco, pensar no que ia fazer”, relembrou Jessica, que, após um convite da dona do evento e de uma conversa com Paraná, continuou lutando.

“A própria Shannon me chamou para disputar um GP com oito lutadoras. Meu mestre me convenceu a lutar e, se eu perdesse, me deixaria descansar depois. Confio muito nele, é meu mestre, é perfeito como córner. Então decidi lutar, acabei sendo campeã e disputaria o cinturão de novo. Foi uma volta por cima”, conta a atleta da PRVT.

Após vencer Tabatha Ann Watkins, Marisa Messer-Belenchia e Lindsey Vanzant, esta na final, Delboni se credenciaria a disputar a revanche contra Alesha, faturando o cinturão por decisão dos juízes. No próximo dia 28 de setembro, a campeã defende o título contra Jillian Decoursey.

“Jillian é completa. Também é faixa marrom, é boa de trocação. Mas meu jogo é mais completo que o dela. Acho que ela não vai tentar me colocar para baixo porque viu que eu defendo bem as quedas. Então vou usar o muay thai, e o ground and pound se preciso. Acho que vamos sair na porrada e esse título vai ficar no Brasil e na PRVT”, afirmou “A Rainha”.

Mesmo com desafios no Invicta FC, Delboni não deixa de sonhar com o maior evento do mundo, onde luta a companheira de equipe Jessica Bate-Estaca. O UFC ainda não possui a categoria átomo, mas a brasileira está aberta a lutar novamente no peso de cima.

“Tenho 15 lutas de MMA e 10 lutas foram nos 52kg, onde tenho nove vitórias e uma derrota. Luto bem nessa categoria, me sinto forte, apesar de ser mais baixa. Se o UFC abrisse esse peso, melhor ainda, é um sonho. Mas estou disposta a lutar nos palhas, e sei que vou dar muito trabalho”, projetou a campeã.