Campeão mantém faixa dourada e brasileiro sofre nova derrota no sétimo episódio do Karate Combat

Novo tema, desafios renovados. A sétima edição da segunda temporada 2020 do Karate Combat aconteceu na noite de domingo. Desta vez, o evento estreou o cenário ‘Neo Tóquio’, projetado com recursos de computação gráfica como manda o figurino futurista da organização.

O Brasil foi representado pelo paulista Willians Quirino contra o grego Nikos Gidakos na divisão até 75kg. A atração principal do card foi a disputa pelo cinturão (e o direito de usar a faixa dourada exclusiva) até 67kg, entre o campeão Edgar Skrivers (Letônia) e Myrza Tebuev (Rússia).

Campeão mantém faixa dourada e brasileiro sofre nova derrota no sétimo episódio do Karate Combat

Contragolpeador nato, Quirino teve dificuldade para lidar com o volume de golpes de Gidakos desde o começo. Com rápidas investidas para dominar a distância, o grego misturou socos potentes com quedas de quadril e rasteiras, mandando o carateca paulista à lona duas vezes.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Karate Combat 🥋 (@karatecombat) em

O brasileiro esboçou certa reação na metade do segundo round, mas novamente não resistiu ao ritmo imposto por Gidakos, que administrou vantagens até o final e venceu por decisão unânime dos árbitros. Foi a segunda derrota seguida de Quirino na organização.

Reinado mantido

O campeão até 67kg Edgar Skrivers (Letônia) e o desafiante Myrza Tebuev (Rússia) fecharam a noite. Canhoto e puxando o combate constantemente para a curta distância, o letão adotou a tática de esperar pelos ataques do oponente para contragolpear com cruzados, uppercuts e chutes médios, além de usar pontualmente a versatilidade com socos giratórios e até um ‘rolling thunder’ (chute com rolamento).

O russo teve o melhor momento na parcial inicial, quando acertou um cruzado de esquerda que desnorteou o campeão, mas acabou engolido tecnicamente no decorrer do combate e seguiu em desvantagem até o terceiro assalto.

No intervalo, o médico foi chamado ao corner do exausto Tebuev, que não tinha mais condições de prosseguir. A vitória por nocaute técnico manteve Skrivers com a faixa dourada e atestou a primeira defesa do título da categoria.