Escalado para disputar cinturão do Shooto Brasil em sua 51ª luta, Ronys Torres passa carreira a limpo e projeta aposentadoria

0
223

Ronys Torres é um verdadeiro funcionário do MMA. Aos 37 anos de idade, o amazonense de Manacapuru ostenta um interminável cartel de 41 vitórias e nove reveses, além de passagem pelo UFC e uma coleção de cinturões. Na próxima sexta-feira ele pode aumentar a sua galeria.

Ex-campeão peso leve do Shooto Brasil, o veterano vai tentar o título na divisão dos meio-médios. O desafio é contra Pedro Paulino Vinagre na luta principal do Shooto Brasil 119, na Upper Arena, no Rio de Janeiro.

“Fui pego de surpresa por essa chamada, mas tinha deixado meu nome à disposição do evento, já que me preparei e não lutei na edição de março porque meu adversário naquela ocasião não apareceu. Estou feliz com essa oportunidade. Entreguei meu cinturão até 70kg e agora vou buscar o até 77kg”, disse Torres.

Das 41 vitórias de Ronys Torres no MMA, 33 foram por via rápida, o que dá uma porcentagem de cerca de 80%. Dessas, 20 foram por finalização. Seu oponente, embora dois anos mais velho, possui apenas 11 lutas, tendo vencido 10, seis delas por finalização.

“Tenho quase certeza que ambos vão querer fazer chão, e confesso que até estou torcendo para que ele queira isso. Todos os meus adversários correm do chão comigo. O cartel dele é bom, gosto de lutar com adversários assim, gosto de me testar sempre”, avisou o faixa-preta de jiu-jitsu.

Ronys Torres passou pelo octógono mais famoso do mundo em 2010, sendo desligado da organização após perder as duas lutas que fez, ambas por decisão, para Melvin Guillard e Jacob Volkmann, respectivamente. Segundo ele, o UFC à época prometeu que ele retornaria, mas isso não aconteceu.

“Fiquei triste com o UFC. Eles pediram para eu ganhar quatro lutas fora para voltar e fazer as duas lutas que tinha no contrato. Venci 19 e eles não me chamaram. Venci alguns atletas e eles assinaram com o UFC, então até hoje não sei quais os critérios para eles contratarem ou demitir um atleta. Agora eu já estou em fase de aposentadoria, quero voltar a ficar do lado da minha família e de quem eu amo Já perdi muitas coisas estando longe deles, está na hora de voltar para perto deles”, desabafou o lutador.

Em relação ao futuro, Ronys garante que seguirá trabalhando para a luta, mas com ênfase em repassar todo o seu ensinamento adiante em sua cidade natal.

“Amo representar Manacapuru, representar aquele povo guerreiro. Eu comecei lutando lá aos 16 anos e quero muito fazer a minha última luta lá também. É a cidade onde vou curtir minha aposentadoria, a cidade onde vou voltar a morar. Quero abrir minha academia lá e representar o povo manacapuruense fora dos octógonos, mas continuar representando todos eles de forma direta ou indiretamente”, projetou.

O Shooto Brasil 119 será transmitido ao vivo para o Brasil e o resto do mundo pelo UFC Fight Pass, a plataforma de streaming oficial do Ultimate.