Gilbert Durinho, aula de Jiu-Jitsu para o MMA, lançamento de livro e aposentadoria dos sonhos contra Anderson Silva: assista Demian Maia na RESENHA PVT

https://www.youtube.com/watch?v=RVi9h1Sa9UA

De luta marcada contra o compatriota Gilbert Durinho na próxima edição do UFC no Brasil, em Brasília, dia 14 de março, Demian Maia participou do primeiro RESENHA PVT de 2020. Além de falar do compromisso dentro do octógono, o qual, segundo ele, será o penúltimo de sua carreira no MMA, o representante do Jiu-Jitsu também relembrou histórias, contou curiosidades sobre a evolução de seu jogo diferenciado, revelou que está trabalhando para lançar um livro sobre causos vividos ao longo de sua trajetória e fez duras críticas à IBJJF. Confira o bate-papo na íntegra no vídeo acima e um resumo das declarações logo abaixo.

Sobre a luta contra Gilbert Durinho:

Na verdade eu nem esperava que ele fosse pedir esta luta, mas ele acabou pedindo. Não era o que eu queria, porque eu não queria agora, nessa fase da carreira, lutar conta brasileiro, ainda mais um representante do Jiu-Jitsu. Eu preferia lutar contra o (Stephen) Thompson, mas o Sean Shleby (matchmaker do UFC) explicou a razões do porquê desta luta e a gente resolveu aceitar.

Acredito que ele confia no Muay Thai dele e vá querer lutar em pé, por mais que ele tenha um Jiu-Jitsu de nível. Pelo que me falaram, ele teria dito que queria essa luta porque queria ser o cara para carregar a bandeira do Jiu-Jitsu agora; mas eu não acredito que ele vá querer fazer Jiu-Jitsu.

Sobre o desenvolvimento do jogo de grade:

Eu pensei: por que que vários atletas são muito bons no que eles fazem? Porque eles estão à frente do tempo deles… Michael Jordan, Tiger Woods, Roger Federer… Aí pensei: o que eu posso fazer para ficar à frente do meu tempo na área de grappling? Pensei: a parte de grade ainda é muito incipiente… as pessoas chegam na grande e não conseguem derrubar direito, perdem queda, não conseguem manter o cara no chão… fui fazendo perguntas, criando problemas e soluções e decidi: vou ficar muito bom nisso. Fui desenvolvendo um jogo dali e usando esse pensamento crítico.

Tem caras all-american que é impossível encostar nas pernas dos caras, muito difícil. Aí a gente faz treino de parede e eu chego nas posições que faz parecer que não é o mesmo cara… boto para baixo, vou para as costas… por que? Porque é outro esporte… a grade, a parede… é outro esporte. Modéstia à parte, eu desenvolvi muitas técnicas, e eu quero ensinar um dia, mas ainda mantenho em segredo (por ainda estar lutando).

O Jiu-Jitsu invisível na vitória sobre Ben Askren

O Rickson falava daquele negócio do Jiu-Jitsu invisível. E quando você começa a treinar, você começa a entender o porquê do invisível. São as pequenas armadilhas que você coloca no meio que ninguém vê de fora, ninguém vê o porquê o cara caiu. Eu lembro de ver o Rickson lutar, o Roger tem isso… ele monta num faixa-preta e estrangula da montada igual faz com um faixa-branca. Por que é tão fácil para ele? Porque tem milhares de detalhes que ele sabe fazer. Se você pegar 90% dos faixas-pretas, eles vão fazer isso com um faixa-branca, mas não vão conseguir fazer com um faixa-preta. Eu adoro quando falam que ‘para o Demian é fácil’, ‘o cara deu mole’, porque as pessoas não percebem a sutileza.

Livro

Estou com um amigo, que trabalhou na “Folha de São Paulo” por 12 anos, e ele está me entrevistando para escrever um livro, muito sobre essa parte de auto-aperfeiçoamento, contando histórias que eu passei.

Curso online

Provavelmente vamos lançar em breve, com o Bernardo Faria, campeão mundial. Ainda estou em dúvida se vai ser um curso de controles de várias posições ou mais voltado só para controle e ataques de costas.

E também tenho um curso formatado de Jiu-Jitsu para MMA, que é muito legal. Tem tanto a parte de fundamentos quanto as partes mais avançadas. Muitas coisas que eu fui descobrindo. Mas esse tem muito segredinho, então não quero revelar enquanto estiver lutando, vou esperar eu parar. Mas já está formatado.”

Encerrar a carreira em revanche contra Anderson Silva

Essa seria legal. Na verdade, luta boa é a luta que você ganha; mas como não tem como você prever o futuro, hoje eu digo, sem saber o resultado, que seria “a luta”.

Críticas à IBJJF

Chave de calcanhar

O Jiu-Jitsu fio criado para ser eficiente no Vale-Tudo/MMA. Não existe você tirar a chave de calcanhar do campeonato mundial de Jiu-Jitsu sem kimono. Tem que existir. Por que não existe chave de calcanhar de kimono? Porque prende a calça, o risco de lesão é muito grande e vai acabar com a luta, porque você não consegue escapar, então fica irreal. É aceitável tirar a chave de calcanhar no kimono. No sem kimono não faz sentido nenhum. Ela tem risco como qualquer outro golpe, como uma kimura, que machuca tanto quanto uma chave de calcanhar, uma americana… você vai falar que isso não machuca? Isso a confederação tem que mudar urgentemente. O Jiu-Jitsu é feito para ser eficiente.

Mundial fixado nos EUA

O mundial não pode ser todo ano nos EUA. Os americanos estão se desenvolvendo muito, por mérito deles, mas o Brasil está ficando muito para trás, a não ser os brasileiros que estão morando lá fora. Tem um monte de moleque lá na academia que  não vão para o mundial. Mesmo quem tem dinheiro, ou tem um patrocínio para ir, não vai porque não consegue o visto. O mundial de Jiu-Jitsu, como em qualquer esporte, para crescer, ele tem que rodar. Tem que ir um ano para Portugal, outro para Argentina, na França, Itália, Finlândia, que tem muito Jiu-Jitsu, Rússia, México, lugares que não precisam de visto. O mundial tem que funcionar como fomento do Jiu-Jitsu brasileiro pelo mundo. Eu quero participar de alguma maneira. O mundial tem que sair só da Califórnia. Os moleques não conseguem ir para lá. É caro, e mesmo quem consegue patrocínio nem sempre consegue visto. É muito injusto para o Brasileiro. Os americanos já têm todas as oportunidades e ainda têm o mundial no quintal de casa. Não tem problema eles terem o mundial, mas não pode ser todo ano lá. Isso é um absurdo. Tem que ter uma grita geral da comunidade do Jiu-Jitsu para ser mudado.