Lutador sergipano que já foi entregador de marmita e jogador futebol disputa o cinturão do Jungle Fight

Willan Colorado vem de nove vitórias seguidas no MMA e disputa o título do Jungle no dia 31 de janeiro - Foto: Leonardo Fabri

Focado, decidido e determinado. Confiança é o que não falta para Willian Souza, o Colorado. Perto de fazer a luta mais importante de sua carreira, o sergipano esbanja ousadia e muita personalidade para falar sobre os seus objetivos no MMA. Mas toda essa confiança não é a toa. Dono de um cartel com nove vitórias e apenas uma derrota (que ocorreu em sua estreia em 2017), ele nunca levou uma luta para a decisão dos juízes. No próximo dia 31 de janeiro, contra o mineiro Adriano “Trator” Nunes, ele terá a chance de conquistar o cinturão dos penas (66kg) do Jungle Fight, maior evento de MMA da América Latina, que será realizado na cidade de Contagem, em Minas Gerais.

“Será só mais uma cabeça para a minha coleção. Esse garoto nunca saiu do quintal de casa. Só fez lutas escolhidas a dedo, só bateu em galinha morta. Eu já lutei em todo Brasil, e digo para você: não tive trabalho nenhum para trazer essas nove vitórias consecutivas. Já estou começando a ficar entediado. Eu queria poder dizer que seria uma luta de cinco rounds para que o público ficasse animado com a guerra, mas, para ser sincero, eu não consigo dar mais que um round pra ele. Será bem divertido tomar doce da mão de criança. Estou empolgado para trazer meu cinturão, que já estava me aguardando há um bom tempo. Não fica legal o rei da selva reinar sem a coroa”, disse Colorado.

O sergipano começou no Muay Thai, mas hoje se considera um lutador completo e pronto para todas as situações que possam ocorrer em uma luta de MMA. Colorado vem de duas vitórias rápidas por nocaute no Jungle Fight. No total, ele já fez dez lutas de MMA e conquistou nove vitórias, sendo sete delas por nocaute e duas por finalização.

“Eu gosto de controlar tudo o que acontece na minha vida e deixar o resultado nas mãos dos juízes é algo que não dá para controlar. Também odeio perder tempo. Eu acordo todos os dias 4h30 da manhã só para ter mais tempo no meu dia. Lutar é para provar quem é o melhor, e eu não preciso de três ou cinco rounds para provar para o mundo que eu sou o melhor”.

O peso-pena só possui uma única derrota no currículo, e ela aconteceu em sua estreia no MMA. Ele garante que o revés ocorreu por falta de motivação, mas diz que foi a partir daquele momento que resolveu levar mais a sério a sua carreia no MMA.

“A vida toda eu ganhei muito fácil os campeonatos de Jiu-Jitsu, Muay Thai, Kickboxing e Boxe que eu participei. Eu já estava sem motivação para treinar, sem ânimo. Mas, quando perdi na estreia, eu fiquei puto. Não gosto de perder nada pra ninguém. E hoje também tenho uma motivação a mais, pois quero assinar um contrato com o UFC para bater nos melhores do mundo, porque os melhores da América Latina eu já bati”, garantiu o casca-grossa.

Bullying, futebol e MMA

Nascido em um bairro pobre da cidade de São Cristovão, em Sergipe, o atleta, hoje com 23 anos, teve uma infância difícil, especialmente na escola. Ele sofria bullying diariamente dos colegas, até que um dia resolveu dar um basta na situação.

“Sofri bullying por muitos anos na escola, até que um dia eu disse que ninguém iria mais me humilhar. Então, quando o primeiro valentão veio pra cima, eu ganhei coragem e bati nele na frente de 200 alunos que estavam no intervalo da aula. Desde então me senti responsável por proteger as outras pessoas que também sofriam com esse problema. Acho que o meu Sherdog escolar é de 25V-0D (risos)”, relembrou Colorado com bom humor.

Na época da escola, Willian jogava futebol nas divisões de base do Club Esportivo Sergipe, onde recebeu o apelido de Colorado. Como sua família não tinha dinheiro para bancar passagem e alimentação, ele foi aos poucos desistindo. Na mesma época ele foi levado por um colega da escola para fazer uma aula de Muay Thai. Foi quando decidiu que era aquilo que queria fazer na vida.

“Passei dois anos jogando nas divisões de base do Sergipe, mas, infelizmente, a vida de jogador de futebol depende muito dos outros para ter um bom resultado. Sem falar nos custos muito altos para as viagens que a minha mãe não tinha condições de pagar. Foi quando conheci na escola um rapaz que treinava Muay Thai. Ele era muito bom e ganhava todas as competições. Fiquei curioso para saber como seria sair na mão com ele (risos). Então falei com a minha mãe para me matricular na academia, mas ela não tinha dinheiro naquele momento e pediu que eu aguardasse mais uma pouco. Passei uns dois meses esperando até que ela me matriculou na academia e me passou o seguinte recado: “se apanhar na academia e chegar com o olho roxo vai apanhar em casa também” (risos)”.

Colorado passou por muita coisa na vida até chegar a tão sonhada disputa de cinturão do Jungle. Hoje ele ainda precisa dar aulas na academia para se sustentar, mas já vendeu marmita, remendou pneu de trator e consertou motos para viver. Ele enfrentou tudo de cabeça erguida e foi ganhando confiança cada vez que superava uma adversidade. Agora que recebeu a oportunidade pelo título, ele não quer desperdiçar a chance de se tornar campeão e mudar de vez a sua vida.

“Ainda não vivo do MMA, preciso dar muitas aulas de Muay Thai, Jiu-Jitsu e MMA para poder sustentar minha família. Já precisei trabalhar em outros serviços antes de começar a dar aulas na academia. Trabalhei entregando marmitas, entregando água, vendendo sorvete, consertando motos e remendando pneu de trator. Nunca fiquei parado, sempre busquei alguma forma de suprir as necessidades de casa. Sou jovem, mas já enfrentei muita coisa, por isso sei da importância de conquistar esse título do Jungle. Esse cinturão pode mudar a minha vida”, concluiu.