Manuel Ribamar destaca papel fundamental da esposa em sua preparação para o mundial: ‘Me fez acreditar em mim’

Ao lado da esposa, Ribamar ostenta prêmio conquistado – Foto: Gabrielly Kosinski

Praticante de Jiu-Jitsu desde os 12 anos, Manuel Ribamar deu os primeiros passos no tatame em Manaus, no Amazonas. Agora, 13 anos depois, o faixa-preta sonha em alcançar o topo do esporte.  Para alcançar o ouro no Mundial 2019, que ocorre neste fim de semana em Long Beach, na Califórnia, o brasileiro conta como foram os treinos intensos e fala da ajuda da sua esposa, Nathiely de Jesus, bicampeã mundial na faixa-preta.

“A Nathiely me ajuda diariamente. Ela me faz acreditar em mim mesmo e isso me ajuda bastante a melhorar o meu mental. Tudo isso é aliado ao trabalho do meu coach Rodrigo Pedrosa. O mais importante, para mim, são a preparação física e a alimentação. Meu mental está muito bem. Se os outros dois estiverem perfeito e isso tudo for da vontade de Deus, a probabilidade de repetir o feito do WSOG (World Series of Grappling) é de 100%. Fui campeão desse evento vencendo os mais favoritos”, detalha Ribamar, ao lembrar a campanha que fez nesse evento de lutas casadas, onde venceu alguns dos melhores pesos médios como, por exemplo, Gabriel Arges, Victor Silvério, Jaime Canuto e Sergio Rios.

Campeão mundial nas faixas coloridas, Ribamar conta como pretende impressionar na divisão dos médios, que até o momento conta com 21 atletas.

“Estou muito motivado pra entrar no tatame e mostrar uma nova versão do que eu aprendi e das experiências que me foram acrescentadas desde o início do ano. Só existem duas opções: ou eu vou impactar esse ano ou será ano que vem. Estou confiante sempre e acredito sempre que o melhor de Deus ainda está por vir. A vontade de vencer sempre esteve por perto nesses últimos 16 dias e eu tenho colocado apenas mais lenha nessa fogueira. Existem duas partes de mim: uma diz que já está bom é o suficiente. A outra diz só para treinar mais um pouquinho. Eu me pergunto: quais delas vai ser a campeã? (risos). Vamos ver”, encerra Manuel, que antes do Jiu-Jitsu se aventurou no futebol e no skate.