Nos EUA, Zé Mario Sperry adota ‘estratégia de guerra’ contra novo coronavírus

Zé Mário avaliou como deve ficar o cenário do Jiu-Jitsu após a pandemia - Foto: Marcelo Alonso
Zé Mário avaliou como deve ficar o cenário do Jiu-Jitsu após a pandemia – Foto: Marcelo Alonso

Uma das grandes referências da história do jiu-jitsu e do MMA brasileiro, Zé Mario Sperry não é uma pessoa fácil de ser intimidada. E não é por menos. Aos 53 anos, o veterano, que ainda esbanja um físico de atleta, com seus 1,85m e 100kg de músculos, já esteve frente a frente com os mais temidos lutadores de jiu-jitsu e vale tudo de sua época. No entanto, quando o assunto é o novo coronavírus, a preocupação do ex-pupilo de Carlson Gracie fica evidente. Há 4 anos nos Estados Unidos, onde é dono de uma academia de jiu-jitsu em Miami, na Flórida, Zé Mário tem acompanhado de perto o poder devastador do vírus no país mais afetado pela pandemia até o momento.

Como está sendo a sua rotina e a da comunidade do jiu-jitsu em geral no EUA diante desse novo coronavírus?

Zé Mario Sperry: Está muito complicado, tudo parado, comércio fechado. Já vão fazer três semanas que não abro a minha academia, é realmente muito difícil. Mas essa é uma situação única, é o que tem que ser feito. Costumo falar que não é o mais forte ou o mais rápido que vence, e sim o que melhor se adapta. E é isso que precisamos fazer nesse momento, nos adapatar. Por isso, tenho acordado cedo, me exercitado em casa ou em lugares abertos fora dos horários de pico, mantido uma rotina saudável, comendo bem. É isso que tento passar para meus amigos, as pessoas próximas de mim, meus alunos. Estão todos muito preocupados, estressados, então é mais do que necessário manter esses cuidados.

Assim como a maioria dos esportes, os campeonatos de jiu-jitsu foram cancelados e as academias fechadas por tempo indeterminado. Para tentar contornar isso, alguns professores têm ministrado aulas online. O que você acha dessa prática, que já foi muito criticada no passado?

ZM: Eu sou adepto do provérbio que diz o seguinte: “se você não pode fazer o que tem que ser feito, você tem que fazer o que pode ser feito”. As aulas online é o que pode ser feito no momento, então eu não sou apenas favorável como sou adepto. Tenho dado meus treinos pela internet normalmente, é uma forma de manter os alunos conectados, interessados no jiu-jitsu.

Que impactos você acredita que esse novo coronavírus pode trazer futuramente para a comunidade do jiu jtsu, como organizações, federações, equipes, no negócio como um todo?

ZM: Vai passar por uma fase amarga, mas eu acho que essa onda vai passar. Vamos aprender com o que aconteceu, dar valor ao que tínhamos, retomar antigos costumes como sociedade, uma maior cuidado com o próximo, uma valorização das coisas essenciais de fato. Acho que vamos aprender muito como sociedade e como seres humanos. Os negócios vão passar, na realidade já estão passando por momentos difíceis, mas sou otimista que o cenário irá melhorar e sairemos dessa com um saldo positivo. Inclusive, te adianto em primeira mão que eu e Elias (Eberhardt, organizador geral da AJP Brasil) fomos convidados para tocar o projeto da AJP aqui no EUA.

Você pode dar mais detalhes desse projeto da AJP no EUA?

ZM: Já estamos desenhando o projeto, vamos desenvolver aqui um trabalho com a mesma qualidade com que é feito no Brasil, que é tocado pelo Elias. A ideia é importar toda essa expertise que temos com os eventos feitos ai e trazer para cá. Se tudo der certo podemos fazer o primeiro evento já em outubro desse ano.

Você acredita que já seja possível estipular prazos para voltar aos treinos e às competições?

ZM: Eu acredito que lá para setembro, outubro, já deve começar a voltar com algumas retrições. Talvez no início algumas medidas preventivas devam ser tomadas como campeonatos sem público, menos pessoas trabalhando na organização, menos áreas de luta, um controle de higienização rígido nas academias, menos pessoas no tatame e por ai vai. Mas essa é minha humilde opinião, nada vai ser feito sem o respaldo das autoridades médicas, obviamente.

Fugindo um pouco da pauta, você deixou claro que mantém uma rotina saudável de alimentação e treinos diariamente. Ainda tem dentro de você aquele fogo de competir ou é só uma questão de saúde mesmo?

ZM: Eu estou velho mas não estou morto (risos). Tenho 53 anos e acordo todo dia cedo, me preparo fisicamente, treino, faço o que tem que ser feito. Seria um prazer sentir novamente o gosto de competiçao, aquela adrenalina boa. Vamos ver se não pinta uma superluta contra um outro atleta vovô (risos), pronto eu sempre estou.

Deixa um recado final para todos os praticantes e também amantes do jiu jitsu no Brasil.

ZM: O momento é difícil mas nós vamos superar. O ideal nessa hora é ter uma estratégia de guerra, igual eu fazia antes das minhas lutas. Pega um papel e cria uma programação dos seus dias. Horário de dormir, de acordar, de comer, de se exercitar, das tarefas domésticas, de ficar com a família, tudo. Porque a tendência nessas situações é relaxar, dormir tarde, não fazer nada e isso vai virando um ciclo vicioso que pode gerar outros problemas. E vamos superar isso juntos.