Shogun responde a desafios de Glover e Minotouro e dá conselho para Marreta vencer Jon Jones

Convidado do RESENHA PVT dessa terça-feira, Maurício Shogun falou sobre a recuperação da cirurgia que fez no dedão, disse quando pretende voltar ao octógono e respondeu aos desafios feitos por Glover Teixeira e Rogério Minotouro.

“Quem me conhece sabe que eu sempre lutei com os melhores, desde 2005, quando entrei no GP. Ali tinha os melhores. Minha carreira está nas mãos dos meus treinadores, do meu empresário e hoje eu não me incomodo com isso. Hoje eu foco mais nos meus treinos. Mas é lógico que eu aceito desafios”, disse o ex-campeão. “O Minotouro eu tenho que pensar com mais calma, porque eu já venci ele duas vezes, então, seu eu venço mais uma vez, não fiz mais que minha obrigação; se eu perco, eu sou pior. São coisas que eu deixo nas mãos dos meus treinadores e do meu empresário. É como eu digo: meu empresário é pago para isso (risos).”

O curitibano também relembrou os momentos mais marcantes de sua carreira: a primeira luta sem luvas aos 14 anos; os treinos mais duros na Chute Boxe; a luta no Meca com o “demoníaco” Cyborg; os clássicos com Minotouro, Arona e Coleman no Pride; a rivalidade com a BTT; os dois confrontos com Lyoto no UFC; as provações na semana da luta pelo cinturão; a entrada no Hall da Fama; e deu um conselho para Thiago Marreta vencer Jon Jones.

“Ele tem que entrar calmo, porque o jogo dele é de pegada, de nocaute, e eu acho que nocaute é consequência. Se a pessoa fizer tudo certinho, com paciência, ela consegue. Se for nervosa, afoita, ela perde as próprias características.”