Cyborg afirma que quer renovar com o UFC, sugere luta em Curitiba e explica que revanche com Amanda ‘é um desejo e não uma obsessão’

https://youtu.be/-aXRtdUTTTA

Com apenas mais uma luta no atual contrato com o UFC, Cris Cyborg revelou em bate-papo no RESENHA PVT dessa terça-feira que seu empresário se reunirá em breve com os executivos da organização para decidir seu futuro. Apesar de todos os imbróglios do passado, a peso-pena afirmou que hoje a relação entre as partes é cordial, tanto que ela manifesta o desejo de permanecer. Entretanto, caso sua categoria seja extinta, ela não terá problemas em migrar para outros eventos.

“Meu manager vai sentar com o UFC em breve para ver qual será o próximo passo, se vamos renovar ou se não vamos renovar, se a revanche vai acontecer ou não vai acontecer. Em março acaba meu contrato, mas a gente vai sentar para ver qual será a próxima etapa”, disse a brasileira. “O que eles vão fazer daqui para frente eu não sei, eu sei que eu vou continuar lutando, independentemente de onde, eu vou continuar lutando. A gente teve tempo para arrumar nossa relação. Não tenho nada contra o Dana White, ele até pediu perdão para mim numa entrevista, admitiu que eles erraram muito comigo. Se acontecer de eles tirarem a minha categoria, me mandarem embora, o UFC é quem vai perder com isso e o evento que me levar vai sair ganhando. Meus fãs me seguem aonde eu vou, estão comigo nas vitórias e nas derrotas e eu sou muito grata a eles. Quero dar continuidade ao meu trabalho, o UFC é uma grande plataforma, mas isso não está nas minhas mãos. Meu manager vai entrar em contato com o UFC para ver as próximas etapas. Se tirarem a minha categoria, eu vou brilhar em outro lugar como eu sempre fiz.”

Sobre a revanche, Cyborg admite que é um desejo, mas garante que não é uma obsessão.

“Acabou a luta e eu já mandei mensagem para o meu manager para ele pedir a revanche. Em seguida a Amanda disse que queria dois anos para me dar a revanche. Eu pedi a revanche, mas se não me derem, a minha vida vai continuar. Quero a revanche porque acredito que eu mereço pelo tempo que eu fiquei invicta, mas se não acontecer, eu vou continuar treinando e lutando. Também perdi a minha primeira luta, pedi revanche e não tive, e não foi isso que impediu meu legado”, lembra.

Cyborg também se colocou à disposição para lutar no UFC 237, marcado para o dia 10 de maio, no Brasil. Ao que tudo indica, o evento será na Arena da Baixada, em Curitiba, cidade natal da ex-campeã.

“Estou aberta para lutar em maio em Curitiba. Pode ser a revanche com a Amanda – mas ela falou que quer esperar dois anos – ou com a próxima adversária que quiserem me colocar”, sugeriu.