De olho em cinturão, Rony Jason promete agressividade no Fight Nation

0
253
Ex-UFC luta neste sábado – Foto: Divulgação

Após duas vitórias seguidas, Rony Jason almeja manter seu bom momento e se aproximar de mais uma chance de disputar um cinturão na carreira. Neste sábado (16), o brasileiro encara Tariel Abbasov, no Fight Nation 14, que acontece na Bósnia.

Para este confronto, o ex-lutador do UFC adiantou que não pretende fugir de sua principal característica: a agressividade. Com dois nocautes seguidos e retomando um bom momento no MMA, Jason afirmou que, mesmo contra um rival invicto pela frente, sua ideia é não deixar essa vitória nas mãos dos jurados.

“Nunca planejo muita estratégia. Sou mais ação e reação. Tenho 17 vitórias, sendo oito nocautes e oito finalizações, então se a luta ficar em pé, busco o nocaute, se for para o chão, a finalização. 95% das minhas derrotas são por pontos, porque fico pensando em me poupar e acabo cansando no final, deixando o cara aproveitar a luta. Vou sentir a luta, ele é um cara em ascensão, 10 anos mais novo. Mas isso não me abala. Vou entrar para nocautear ou finalizar essa luta”, disse.

Contra Abbasov, Jason vai encarar um oponente que tem oito triunfos, sendo sete por finalização nas artes marciais mistas. Dessa maneira, o brasileiro pregou cautela sobre um combate no solo, mas mandou um alerta para o adversário.

“Seria burrice eu entrar com a cabeça que tenho o jiu-jitsu superior a ele. Treino bastante no chão, mas sou um cara diferenciado no MMA porque sou perigoso com as costas no chão. Não sou como a maioria que é perigosa por cima no jiu-jitsu. Sou letal por baixo e esse é meu diferencial. Meus ataques são na guarda. Então um cara que acha que vai me vencer só me colocando para baixo, é onde ele corre mais risco. Em pé tenho uma mão dura, não me movimento tanto, sou mais cadenciado. Eu golpeio para machucar”, explicou.

Depois de ter vencido Filip Pejić em sua estreia na FNC, Jason ia disputar o cinturão do peso-pena (66 kg), diante de Jordan Barton, mas o duelo foi cancelado. Agora, o brasileiro está focado em conquistar mais um triunfo para, enfim, em 2024, poder lutar pela coroa da divisão. O lutador, inclusive, já adiantou planos ambiciosos na organização para o próximo ano.

“Era para eu lutar pelo cinturão em setembro, mas o campeão se machucou e mudou para novembro. Aí caiu novamente e pedi uma luta para o evento, e me deram essa agora. Então, vencendo, vou ter em fevereiro ou março a minha grande chance de disputar o cinturão, o que eu quero muito. E quem sabe depois que ganhar de 66kg, subir para 70kg e ser o primeiro campeão em duas categorias”, completou.