Inicio Blog Página 214

Brasileiro ignora pressão por fazer uma das lutas principais do M-1 contra adversário bem mais experiente no MMA: ‘Nocaute no primeiro round’

Catarinense luta este sábado (6) contra o invicto Eri Silveira pelo título vago dos meio-médios- Foto: Marcio Valle
Aos 24 anos de idade, o meio-médio Gian Siqueira enfrenta ucraniano que possui mais de 60 lutas no cartel – Foto:

O jovem catarinense de Blumenau Gian Siqueira, de 24 anos, é um dos representantes do Brasil na próxima edição do M-1, marcada para este sábado em Harbin, na China. Invicto há quase cinco anos e vindo de 11 vitórias nas últimas 12 lutas, o meio-médio terá pela frente o experiente ucraniano Alexander Butenko, que possui nada menos que 63 lutas de MMA profissional.

“Estou bastante ansioso porque vou lutar contra um dos grandes nomes do MMA do Leste Europeu, um adversário bem mais experiente, mas não sei se com tanta gana quanto eu. Acredito que tenho jogo para passar por ele, arrisco até a apostar em um nocaute ainda no primeiro round. Treinei bastante, estou preparado para qualquer situação que a luta me oferecer e ele que se cuide”, avisa o brasileiro, apelidado de “Pitbull”.

Apesar da pouca idade, o atleta da Astra Fight Team tem um currículo extenso no MMA, com 19 lutas disputadas. Destas, saiu vencedor em 16, com direito a seis nocautes, seis finalizações e quatro decisões a favor. A rodagem garante tranquilidade para fazer a luta co-principal de um dos eventos mais importantes do mundo.

“Iniciei minha vida nas artes marciais no Judô aos  13 anos e aos 14 fui para o Jiu-Jitsu, então estou desde cedo competindo. No MMA também comecei cedo, aos 18 anos, e de lá para cá fiz diversas lutas no Brasil, até ser convidado para lutar na China no ano passado. Venci bem, com uma finalização no primeiro round, o que me credenciou a fazer uma das lutas principais desta edição do M-1. Estou ansioso, sim, mas muito tranquilo, pois vou fazer o que amo.”

Brasileiro desafiante ao cinturão peso leve do M-1 esbanja confiança: ‘Preparado para a guerra’

https://youtu.be/fd6GLrfRB24

O peso leve manauara de 1,91m Michel Sassarito pode se tornar o segundo brasileiro campeão da história do evento Russo M-1. No próximo sábado, na China, ele enfrenta o invicto e atual campeão da categoria, Roman Bogatov, que venceu todos os setes oponentes que enfrentou na carreira.

Vindo de três boas vitórias na organização, com direito a duas finalizações e um nocaute, tudo em 2018, o atleta da Evolução Thai mostra-se confiante para desbancar o favoritismo do russo e fazer companhia com o companheiro de treino Bruno Blindado no hall de brasileiros campeões do M-1.

“Vou preparado para a guerra. Se meu adversário não estiver preparado para a guerra, ele vai ficar no meio do caminho, vai ficar no primeiro round, vai ficar no segundo… eu vou para vencer e trazer esse cinturão para o Brasil”, garante Sassarito.

Oriundo do Jiu-Jitsu manauara, Sassarito aperfeiçoou o Muay Thai após a mudança para a equipe de André Dida, em Curitiba. Apesar da origem na arte suave, a maioria de suas vitórias foram por nocaute, o que o coloca como um lutador imprevisível.

“Ele é 7-0, mas os dois últimos adversários também eram invictos. Estou com a mentalidade muito boa para vencer mais um invicto, estou preparado para esse russo, sei que ele é do grappling, mas não estou com medo do grappling dele, porque eu tenho Jiu-Jitsu para vencê-lo e Muay Thai para nocauteá-lo.”

Formado em Sistemas e adepto de ‘dieta viking’, lutador ‘geek’ representa o Brasil na Coréia do Sul

Catarinense está escalado para enfrentar Sang Soo Lee no evento Angel's Fighting 10 - Foto: Focados no Tatame
Catarinense está escalado para enfrentar Sang Soo Lee no evento Angel’s Fighting 10 – Foto: Focados no Tatame

Lutador geek (fã de tecnologia): é assim que se intitula o peso pesado catarinense Giácomo Lemos, conhecido como “Viking”. Formado em Sistemas, o faixa-preta de Judô possui menos de três anos como profissional de MMA, mas já fez o suficiente para ser convidado a representar o Brasil do outro lado do mundo. Na próxima segunda-feira ele enfrenta o anfitrião Sang Soo Lee em Seoul, na Coreia do Sul, pelo Angel’s Fighting 10.

“Sempre fui judoca, mas aos 4 anos já lutava ‘vale-tudo’ onde meu pai dava aula, e assim fui me criando. Aos 16 migrei para o Jiu-Jitsu, fui campeão sul-americano pela IBJJF e, ao meio disso tudo, fiz faculdade de Sistemas e trabalhei por oito anos com Tecnologia da Informação, programação e análises de sistemas, profissão esta que exerço até hoje com o meu aplicativo (floripaqv.com) e meu canal no Youtube”, explica o peso pesado da Rangel Farias Team.

Apesar das raízes judocas – seu pai foi treinador da seleção brasileira de Judô e sua mãe foi 23 vezes campeã brasileira da modalidade -, Giácomo Lemos, dentro do cage, se mostra um perigoso nocauteador. Das quatro vitórias em quatro lutas como profissional, em três ele mandou o oponente para a lona – e um foi finalizado. Contra o coreano, oriundo do Sambo, a expectativa é de mais um nocaute.

“Minhas lutas falam por si só. Tenho um gás interminável e sou muito coração. Nenhuma luta minha foi ainda para a decisão e tenho mais nocautes que finalização, apesar de vir do Judô. Isso porque transito por todos os setores. Quando não dá em pé, eu boto para baixo, mas venho decidindo em pé mesmo. Meu adversário é bastante experiente, já teve muito cara duro na frente e com certeza terá mais um. Ele tem um jogo de Sambo muito bom, mas confio muito no meu Judô para anulá-lo. No que ele é bom, eu sou ainda melhor, mas estou muito confiante na minha trocação. Se precisar ir para o chão, sem problema também, pois já fui campeão sul-americano de Jiu-Jitsu”, destaca.

Além do coreano, o brasileiro tem outros fatores como adversários, como por exemplo a longa viagem até a Ásia de classe econômica medindo mais de 1,90m e pesando cerca de 20kg, e a mudança dos 35 graus de Florianópolis para os 10 graus negativos de Seoul. Mas nada disso o intimida, garante.

“Minha cabeça está boa, estou indo para lutar como um viking, atropelando todas as adversidades”, avisa o “Viking”, apelido que ganhou devido a uma dieta curiosa. “Minha dieta é característica, talvez por ela e por usar barba, me apelidaram de viking. Costumo comer carnes gordas e os ossos, mastigando-os, que é uma forma de treinar a mandíbula para aguentar golpes duros dos outros pesos pesados.”

Com Johil de Oliveira como árbitro, evento ‘multi-marcial’ estreia neste sábado no interior do Rio

O município de Areal, região norte fluminense, sediará a primeira edição do evento multi-marcial Xplosion MMA, com lutas de MMA amador, Jiu-jitsu e K1. O festival, que promete agitar a Associação Atlética Arealense, foi criado por Eli Braz, Mariana Costa e Isaltino Silva, que garantem surpreender o público presente.

O comando da arbitragem será realizada por Johil de Oliveira, o Samurai de Fogo, figura carimbada nos eventos da região e profissional de prestígio nas artes marciais a nível mundial.

Uma da organizadoras, Mariana Costa falou das expectativas a respeito da primeira edição.

“O objetivo do evento é possibilitar aos atletas da região a oportunidade de uma carreira profissional através da visibilidade e da experiência que o evento pode proporcionar. O esporte pode mudar vidas.”

Xplosion MMA

Sábado, 26 de janeiro de 2019

Associação Atlética Arealense – Areal – Rio de Janeiro 

Card (sujeito a alterações) 

MMA Amador até 70 kg

Fabiano Soldado (Russão  Team Fight) vs Marcelo Amâncio (DVJJ)

K1 até 100 kg

Caique “Monstro” (Titan Team) vs Wellington “Del” (Marcos Vinicius Team)

Jiu-jitsu Faixa Azul até 80 kg

Miguel Rossato (CJA Itaipava) vs Diego Silva (Baltar Rodrigues)

Jiu-Jitsu Faixa Preta até 76 kg

Ricardo Amâncio (DVJJ) vs Samuel Carius (JC Team)

K1 até 77 kg 

Peterson Peu (Equipe Fusion | Leo Fernandes) vs Guilherme Caveira (Pantaleão)

K1 até 90 kg

Marciel Bitelo (Fusion | Leo Fernandes) vs  Felipe “Pitbull” (Thai Team)

MMA Amador até 65 kg 

Gato Félix (Fusion | Leo Fernandes) vs Alessandro Marques (Titan Team)

MMA Amador até 80 kg

Dudu “Monstrão” (Game Fight | Leo Fernandes) vs Jonathan Santos (Titan Team)

Jiu-Jitsu Faixa Roxa até 97 kg

Juliano Silva (Serrana Petrópolis) vs Alexssandro da Silva (Pimpa School)

Jiu-jitsu Faixa Roxa até 78 kg

João Freitas (CJA Itaipava) vs Lucas Dolaval (Raul Quintela)

MMA Amador até 54 kg

Cristopher Henrique (Thai Team) vs Giovani Salvador (JLFT)

Jiu-Jitsu Faixa Preta até 65 kg

Rafael Simões (Pimpa School) vs Willian Dias (DVJJ)

Federação Amazonense de Jiu-Jitsu faz aniversário e presidente comemora: ‘Arte suave segue viva em Manaus’

Bosco é faixa-preta e diretor da FAJJPRO - Foto: Divulgação
Bosco é faixa-preta e diretor da FAJJPRO – Foto: Divulgação

Fundada em 2013, a Federação Amazonense de Jiu-Jitsu Profissional (FAJJPRO) completa seis anos em 2019. Para comemorar o feito, o presidente da federação, Bosco Junior, pretende realizar cinco eventos com premiações para atletas campeões do absoluto e academias, feito que vem dando certo durante os últimos 5 anos.

“Fundei a federação com a finalidade de ter mais competições aqui em Manaus. A missão sempre foi propagar ainda mais o Jiu-Jitsu, ainda mais aqui, em Manaus, uma terra que produz alguns dos melhores atletas do mundo. Para 2019, pretendo realizar cinco eventos ao longo do ano. Temos seis anos no mercado e nossa equipe é formada por profissionais na área de enfermagem, fisioterapia e ed. física. São profissionais que ajudam muito em nosso trabalho. Eu, por exemplo, me qualifiquei antes de exercer as funções que faço hoje, como a de gestor. Também sou formado em educação física e sou filiado ao conselho regional de Educação Física. Quando estava em minha formação acadêmica, já realizava eventos esportivos. Procuro ser bom naquilo que faço”, detalha Bosco, que atualmente divide seu tempo com a promoções de eventos e venda de materiais esportivos.

A federação liderada por Bosco revelou bons nomes para o esporte como, por exemplo, hoje os faixas-pretas Manuel Ribamar, Thiago Macedo, Lucas “Bad Boy”, Erberth Santos e outros craques do cenário esportivo.

“Como promotor de eventos, eu sempre busco a competitividade entre novos talentos e novos atletas que se destacam no estado do Amazonas. Sempre fui adepto aquele velho ditado. Quanto mais eventos no estado, mais os atletas podem se testar e se prepararem para os desafios lá fora. Muitos atletas bons já passaram por aqui”, conta.

A Taça Amazonas vai ser o primeiro torneio do ano na FAJJPRO, programado para 2 de março, em Manaus.

“O cronograma oficial já contém cinco eventos e vamos começar com tudo em março. O Jiu-Jitsu em Manaus está vivo e tem diversos talentos que vão explodir no cenário em breve”, encerra Bosco.

Cerrone reforça desafio a McGregor, mas dispensa rivalidade: ‘Espero que ele aprenda que isso é um esporte profissional’

Donald Cerrone deu mais um show dentro do octógono. A vítima da vez foi Alexander Hernandez, nocauteado com um chute alto no segundo round, no último sábado. Ainda dentro do octógono, Cowboy fez um desafio a Conor McGregor. Depois, nos bastidores, ele reforçou o desejo de enfrentar o irlandês.

“Ele é inteligente e pega no seu ponto fraco. Mas eu espero que ele aprenda e perceba que isso é um esporte profissional. Está tudo bem, vamos nos cumprimentar. Eu vou te dar uma surra exatamente da mesma maneira, se você falar besteira ou se você for meu amigo. Eu adoraria lutar com o Conor. Como eu disse, esse é o show dele, ele conduz o ritmo, e eu quero lutar com ele”, disse ao canal oficial do UFC.

Minutos após a luta, Conor McGregor foi ao twitter parabenizar Cerrone pela performance e aceitar o desafio.

Planejamento técnico, físico e Jiu-Jitsu raiz são as armas de Daniel Pinheiro para brilhar em 2019

Daniel Pinheiro e seus alunos - Foto: White Stripe Photography
Daniel Pinheiro e seus alunos – Foto: White Stripe Photography

Hoje radicado no Texas, Estados Unidos, Daniel Pinheiro é um faixa-preta forjado nas terras de Manaus, conhecida por produzir alguns dos melhores atletas do Jiu-Jitsu. Campeão nas principais federações como, por exemplo, a International Brazilian Jiu-Jitsu (IBJJF) e Sport Jiu-Jitsu International Jiu-Jitsu Federation (SJJIF), o brasileiro comanda sua academia com mais de 140 alunos, dividido entre crianças e adultos. Em forma de comemorar seu sucesso como empreendedor, Daniel vai retornar as competições profissionais de Jiu-Jitsu novamente.

“Eu quero lutar os principais torneios da IBJJF e poder me destacar entre os melhores na minha categoria pena e no pesadíssimo, pois gosto de me desafiar. Quero colocar meu lugar no ranking o mais próximo do topo, eu sempre sonho grande e, para mim, já estar no meio deles já me satisfaz. Eu sei que é um caminho árduo a seguir, mas estou com fé no plano de treinamento mesmo, até mais do que do ano passado. Como eu disse, a cada tempo que passa ficamos mais maduros”, conta Daniel, que vai disputar o Austin Open no fim do mês.

Daniel, que treina com seus alunos faixas-azuis e roxa e amigos de outras equipes, conta como faz para manter seu jogo afiado para as competições.

“Por incrível que pareça, eu fui campeão mundial em 2014-2015 pela SJJIF de kimono e sem kimono treinando somente com alguns faixas-azuis e roxas, e diversos faixas-brancas, pois tinha acabado de abrir a Team Shark BJJ. Acho que com o tempo o Jiu-Jiteiro de raiz vai ficando mais malandro, mais esperto na hora de montar sua estratégia e acho que isso vem acontecendo comigo”, diz Daniel, antes de comentar sobre a preparação física que vem fazendo.

“Quero lutar mais forte, com mais resistência e força. Para isso, venho fazendo um trabalho com minhas personal Kimberly Hernandez e a gente mal pode esperar para ver os resultados”, encerra Daniel, praticante de Jiu-Jitsu há 28 anos e faixa-preta desde 2001.

Daniel acumula títulos no Americano Nacional (IBJJF), no Amazonense, onde tem 10 medalhas de ouro, um cinturão no Hunter Submission, e quatro medalhas de ouro no Mundial da SJJIF . Daniel também é medalhista de bronze no peso e absoluto do Europeu (IBJJF), medalhista de prata no Pan (IBJJF), medalhista de bronze no Mundial e Pan Sem Kimono (IBJJF).

UFC 234: sem lutar desde 2017, Anderson Silva volta ao octógono e é azarão nas cotas do OddsShark diante de invicto Israel Adesanya

O Ultimate Fighting Championship abrirá alas para um retorno de peso ao octógono mais famoso do mundo: o veterano Anderson Silva. Ex-campeão da organização no peso meio-médio (até 83,9kg) e dominante durante sete anos, inclusive sendo considerado por muitos especialistas como o melhor lutador de todos os tempos, o curitibano terá pela frente um cara muito casca-grossa: Israel Adesanya. O confronto está marcado para o dia 09 de fevereiro, no UFC 234, realizado em Melbourne, na Austrália, mas, claro, por aqui você fica sabendo tudo a respeito do duelo e já pode correr para lucrar muito com as apostas esportivas. Segundo as cotas do Oddsshark.com, o brasileiro aparece como grande azarão com sua vitória pagando R$5,25 para cada real apostado, ao passo que o seu oponente está custando apenas R$1,15. Sem lutar desde 2017, talvez se justifique essa atual condição do ídolo tupiniquim, mas…será que o confronto é tão desigual assim? Confira a nossa análise!

Peso médio (até 83,9kg) – (R$1,15) Israel Adesanya x Anderson Silva (R$5,25) – Palpite: vitória de Israel Adesanya

Israel Adesanya

Reconhecidamente um dos maiores kickboxers do mundo, Adesanya é um atleta natural da Nigéria que, com apenas 29 anos, assombra o mundo do MMA com aparições marcantes e nocautes memoráveis. Sua estreia profissional na modalidade aconteceu em 2012, coincidentemente no mesmo ano que Anderson Silva venceu pela última vez em seu auge. Para chega ao UFC Israel precisou provar por A+B que era capaz de ser um grande lutador. Foi assim que ele passou por oito organizações até chegar na maior de todas.

Sua estreia no UFC aconteceu em fevereiro de 2018, quando nocauteou Rob Wilkinson. No mesmo ano ele fez mais três lutas e por isso chega com ótima forma física e com ritmo de luta. Com 29 anos de idade, seu cartel conta com 15 lutas e 100% de aproveitamento, sendo 13 vitórias por nocaute e duas por decisão dos juízes.

Com 1,93m de altura e envergadura de 2,03m, além de muita energia e diferentes golpes contundentes, é fácil entender os motivos que fazem o jovem aparecer como franco favorito nas apostas online diante de um atleta envelhecido e desacreditado após tanto tempo sem vitória e encostado por causa de doping. Mas é preciso muito cuidado antes de cravar que o nigeriano sairá com o braço erguido.

Anderson Silva

Um dos lutadores mais respeitados de todos os tempos; dono de um repertório infinito de golpes; muito experiente e campeão nato. Este é Anderson Silva, atleta que, aos 43 anos de idade, busca recuperar o tempo perdido por causa de seguidos casos de doping. Seu auge aconteceu entre 2006 e 2012, quando venceu incríveis 17 lutas consecutivas, incluindo 14 defesas de cinturão. Em 2013 foi nocauteado por Chris Weidman em julho e em dezembro, na revanche, sofreu uma série lesão na canela que acabou dando novamente a vitória para o norte-americano.

Desde então sua carreira virou de ponta cabeça. Em janeiro de 2015 enfrentou Nick Diaz e venceu, mas teve sua vitória anulada após ser flagrado no doping. Seu retorno aconteceu em 2016, mas, por decisão unânime dos juízes, foi derrotado por Michael Bisping e Daniel Cormier, respectivamente. Em 2017 encarou Derek Brunson e saiu com o triunfo, mas, desde então, manteve-se afastado do octógono por causa de mais um flagrante do doping, dessa vez em exame surpresa, durante treinamento.

Com 43 anos e um cartel que engloba 43 lutas, Spider tem 38 vitórias (22 nocautes, quatro finalizações e oito decisões) e oito derrotas (dois nocautes, duas finalizações, três decisões e uma considerada “outras”), além de uma luta sem resultado. Seu retorno é muito aguardado e poderá ser épico diante de um jovem talento.

Palpite

Mais alto, mais forte, mais jovem, mais rápido e com muito mais ritmo de luta, tudo parece ser a favor do nigeriano. Por isso, já adianto que investir nele é a opção mais segura no Oddsshark.com, sem dúvidas. Entretanto, temos que lembrar que do outro lado estará um veterano extremamente talentoso, dono de muitas artimanhas e cheio de sede de vitória, além de estar specialmente motivado pelas palavras do presidente do UFC, Dana White, que afirmou “…um triunfo contra Adesanya pode dar a chance de Anderson Silva disputar o cinturão novamente”. Por isso, tenha muita calma antes de pegar o seu dinheiro e investir em Israel. Saiba que R$100,00 investidos no ex-campeão podem te render incríveis R$425,00 de lucro líquido, e olha que não estamos falando de nada impossível. Fica a seu critério ser mais contido ou ter fé na experiência e na história.

Cotas para as lutas do UFC 234 realizado no dia 09 de janeiro

Peso médio (até 83,9kg) – (R$1,38) Robert Whittaker x Kelvin Gastelum (R$3,00) – Palpite: vitória de Robert Whittaker

Peso médio (até 83,9kg) – (R$1,15) Israel Adesanya x Anderson Silva (R$5,25) – Palpite: vitória de Israel Adesanya

Peso mosca (até 52,2kg) – (R$1,43) Montana De La Rosa x Nadia Kassem (R$2,80) – Palpite: vitória de Nadia Kassem

Peso meio-pesado (até 92,9kg) – (R$1,74) Ryan Spann x Jim Crute (R$2,05) – Palpite: vitória de Ryan Spann

Peso galo (até 61,2kg) – (R$1,50) Jonathan Martinez x Wuliji Buren (R$2,60) – Palpite: vitória de Wuliji Buren

Peso mosca (até 56,7kg) – (R$1,43) Kai-Kara France x Raulian Paiva (R$2,80) – Palpite: vitória de Kai-Kara France

Peso-pena (até 65,7kg) – (R$1,37) Shane Young x Austin Arnett (R$3,15) – Palpite: vitória de Shane Young

Peso galo (até 61,2kg) – (R$1,29) Kyung Ho Kang x Teruto Ishihara (R$3,65) – Palpite: vitória de Teruto Ishihara

Peso galo (até 61,2kg) – (R$1,67) Ricky Simon x Rani Yahya (R$2,20) – Palpite: vitória de Ricky Simon

Oscar do MMA nacional homenageia personalidades e premia os melhores de 2018; confira os vencedores

Rudimar Fedrigo recebeu das mãos do presidente do POP o troféu mestre Zito de Honra ao Mérito por todo seu legado no esporte - Foto: Cassiano Correia
Rudimar Fedrigo recebeu das mãos do presidente do POP o troféu mestre Zito de Honra ao Mérito por todo seu legado no esporte – Foto: Cassiano Correia

Uma das capitais mundiais da luta, Curitiba foi palco da 6ª edição do Prêmio Osvaldo Páqueta, o “Oscar do MMA nacional”, realizado no último sábado na casa de show Selfie Brasil. O evento foi marcado por homenagens e exemplos de superação.

Destaque para o estado do Amazonas, maior vencedor da edição, com quatro troféus: melhor equipe (Renovação Coari Team), melhor árbitro (Abraão Lincon), melhor announcer (Bilmar Pereira) e melhor arte gráfica (Winicius Tarik).

O troféu de melhor lutador do ano foi para o peso meio-médio de Rondônia Henerson Neném, que em 2018 venceu todas as três lutas. Na categoria feminina, o título foi para a paulista Ariane Sorriso, que também venceu todas as três lutas que fez no último ano.

O lutador revelação do ano foi Pacceli Afonso, de Pitangui, Minas Gerais. Aos 20 anos de idade, o peso-galo estreou profissionalmente em maio de 2018 e já venceu quatro lutas. No feminino, o troféu foi para a peso-galo paraense Paula Bittencourtque também estreou em maio e venceu três oponentes.

https://www.youtube.com/watch?v=rZpa4JLz1kw

 

O nocaute do ano foi para as cotoveladas seguidas de um chute alto Daniel Miojo, de Valença, interior do Rio de Janeiro. A finalização foi para a chave de panturrilha do carioca Cleiver Fernanandes.

Homenagens:

Mesmo recém-amputada, Carmem Casca-Grossa viajou de Belém a Curitiba para receber a homenagem – Foto: Cassiano Correia

O ponto alto da cerimônia foi o momento em que Carmem Casca-Grossa foi aplaudida de pé por todo o público ao receber o troféu de honra ao mérito por ter feito, com Ana Carolina Pinho, uma das primeiras lutas de vale-tudo feminino do mundo. Na cadeira de rodas por conta de uma recente amputação de uma das pernas, a paraense fez questão de viajar a Curitiba para receber o título e emocionou a todos com seu alto astral e exemplo de superação.

Os troféus de honra ao mérito desta edição foi batizado com o nome do saudoso mestre Zito, homenageado por família e amigos na abertura da festa. A lenda Rudimar Fedrigo fechou a noite de homenagens, por toda a história construída no Muay Thai e no Vale-Tudo através da Chute Boxe.

Solidariedade

Alimentos arrecadados serão doados a famílias da periferia curitibana – Foto: Divulgação

Em parceria com Legião da Boa Vontade, Super Rádio Brasil e Prime Esportes, o Prêmio Osvaldo Paquetá arrecadou quase 200kg de alimentos não-perecíveis, que serão doados a famílias de baixa renda cadastradas no programa de assistência da LBV de Curitiba.

Confira abaixo todos os premiados:

Lutador do ano

Henerson “Nenem”

Lutadora do ano

Ariane Sorriso

Lutador Revelação

Paccelli Afonso

Lutadora Revelação

Paula Bitencourt

Luta do ano

Caionã “Blade” contra Edy Silva no WOCS 51

Reviravolta do ano

Bia “Arlequina” sobre Alana Souza no SFT 6

Nocaute do ano

Daniel “Miojo” sobre Matheus Calabresa no Demolidor Fight 12

Finalização do ano

Cleiver Fernandes sobre Thiago Castro no Mister Cage 36

Equipe do ano

Renovação Coari Team

Treinador do ano

Gile Ribeiro

Fotografia do ano

Cassiano Correia

Arte Gráfica do ano

Winicius Tarik

Árbitro do ano

Abraão Lincon

Announcer do ano

Bilmar Pereira

Cutman do ano

Tatiane Canivelo

Cage Girl do ano

Raissa Fernanda

Card | Edição do ano

Shooto Brasil 85

Evento não Televisionado

Favela Kombat

Evento Televisionado

Shooto Brasil

Comunicador do ano

Rhodes Lima

Matéria do ano

Brasileira Superou o Vício em Crack e prepara estreia no UFC – Por Bruno Carvalho para o Portal UOL

Troféu Mestre Zito de Honra ao Mérito

Carmem Casca-Grossa

Cintia Lima

Isabella Carvalho

Rudimar Fedrigo

Kimberly Novaes

Tays Lemos Seixas

André Deh Loco Amaral

Tatiane Canivelo

Leandro Mamute

Claudio Lopes

Renata Aymoré

Ex-UFC Wagnão Gomes vence Maiquel Falcão na luta principal do SFT 9

Wagnão Gomes venceu Maiquel Falcão por decisão dividida dos árbitros - Foto: Eduardo Rocha
Wagnão Gomes venceu Maiquel Falcão por decisão dividida dos árbitros – Foto: Eduardo Rocha

A nona edição do SFT foi novamente um grande sucesso e levantou o público, que lotou, nesse sábado (19), as dependências do ginásio do Hebraica, em São Paulo (SP). Os destaques da noite ficaram por conta das vitórias de Wagnão Gomes, Estabili Amato, Wanderley Mexicano, Fernanda Barbosa e Alireza Noei, que derrotou Gesias Cavalcante em duelo no submission.

Na luta principal do SFT 9, Wagnão Gomes e Maiquel Falcão protagonizaram um acirrado embate, com muitas alternâncias no controle da luta. Após um primeiro round dominado por Wagnão, Falcão usou de toda sua experiência para crescer no duelo e equilibrou as ações. Porém, apresentando um melhor condicionamento físico, o mineiro, de Viçosa (MG), conseguiu ser levemente superior e levou a vitória na decisão dividida dos árbitros laterais.

“Treinei demais para essa luta, perdi Natal e Ano Novo por ela. Vim muito focado e não enxergava outro resultado, se não a minha vitória. Estou muito feliz e já me coloco à disposição do evento para novos desafios”, disse Wagnão Gomes.

Estabili Amato bate Diogines Overeem e mantém invencibilidade

Estabili Amato mostrou porque é considerado uma das maiores promessas do MMA nacional. Depois de um primeiro round muito equilibrado, Amato veio decidido para acabar com confronto e encaixou um surpreendente soco giratório em seu adversário, completando com duros golpes no solo, obrigado, assim, a interrupção do árbitro central.

“Dedico essa vitória aos meus pais e a minha equipe. Agradeço muito a todos. O SFT é top demais. Muito obrigado David (Hudson) pela oportunidade”, comemorou Amato, que conquistou sua nona vitória no MMA profissional.

Wanderley Mexicano nocauteia André Mustang no primeiro round

Wanderley Mexicano e André Mustang foram para trocação e realizaram um combate eletrizante, que agitou o público presente no Hebraica. Wanderley acabou se saindo melhor e aplicou ainda no primeiro round um lindo knockdown em Mustang. Não deixando a oportunidade passar, Mexicano desferiu um potente ground and pound até a interrupção do árbitro central.

Com a vitória, Wanderley Mexicano ganhou uma nova oportunidade para disputar o cinturão peso-galo (até 61kg) do evento, que está vago desde a ida do então campeão, Anderson Berinja, para o UFC. Em julho de 2018, Wanderley foi derrotado por Berinja na disputa pelo título da categoria.

“Estou muito ansioso por essa nova chance de disputar o cinturão dos galos do SFT. Quero muito ser campeão. Essa vitória veio pela graça de Deus e o título também ira vir”, afirmou Mexicano.

Fernanda Barbosa domina Paty Borges e pede luta pelo título

Na única luta feminina do card principal do SFT 9, Fernanda Barbosa protagonizou uma grande apresentação e não deu chances para Paty Borges. Fernanda dominou o combate do início ao fim e foi declarada vencedora por decisão unânime dos árbitros laterais.

“Consegui seguir a risca a estratégia que montei junto com a minha equipe para essa luta, e o resultado positivo foi fruto disso. Sei que é minha primeira luta no evento, mas eu gostaria de uma oportunidade pelo cinturão até 61kg”, pediu Fernanda Barbosa.

Alireza Noei vence Gesias Cavalcante em desafio de submission

O duelo entre o brasileiro Gesias Cavalcante e o iraniano Alireza Noei era um dos mais esperados da noite. Gerando muita expectativa, o combate não decepcionou os fãs, que acompanharam sete minutos de um intenso embate de submisson. Ao término da luta, Alireza foi declarado vencedor pelos árbitros laterais.

“Estou muito feliz, agradeço muito a Deus pela vitória. Hoje, o SFT é, sem dúvida, o melhor evento de lutas do Brasil”, disse Alireza Noei, que é tetracampeão iraniano de luta olímpica.

Logo após o resultado, o presidente David Hudson, aniversariante do dia, anunciou a revanche entre os atletas, agora no MMA. Hudson também fez uma inesperada revelação, marcando o confronto para a primeira edição internacional do SFT, que ocorrerá em Miami (EUA), em data ainda a ser definida.

RESULTADOS COMPLETOS

CARD PROFISSIONAL

Wagnão Gomes venceu Maiquel Falcão por decisão dividida dos árbitros

Estabili Amato venceu Diogines Overeem por nocaute técnico aos 04m11s do segundo round

Wanderley Mexicano venceu André Mustang por nocaute técnico aos 01m21s do primeiro round

Fernanda Barbosa venceu Paty Borges por decisão unânime dos árbitros

Robson Negão venceu Ewerton Ferreira por finalização (guilhotina) aos 02m07s do primeiro round

Leonardo Buakaw venceu Isaías Simões por finalização (guilhotina) aos 04m33s do primeiro round

Alexandre Sagat venceu Edvaldo Gameth por decisão unânime dos árbitros

Daniel Ungido venceu Leandro Compri por finalização (triângulo) aos 02m21s do segundo round

João Sorriso venceu Edson Junior por finalização (mata-leão) aos 03m17s do terceiro round

Yoel Jimenez venceu Guilherme Senegal por nocaute técnico aos 04m30s do primeiro round

Jean Matsumoto venceu Fábio Perpetua por nocaute técnico aos 04m09s do terceiro round

CARD AMADOR

Helio Nunes venceu Tiago Dentinho por finalização (guilhotina) aos 01m49s do segundo round

Adriano Cabeça venceu Wanderson Santos por decisão unânime dos árbitros

Gabriela Vitória venceu Sthefanie Lopes por finalização (armlock) aos 01m57s do terceiro round

Emanuel Souza venceu Richard Martins por decisão unânime dos árbitros

DESAFIO DE SUBMISSION: BRASIL X IRAN

Alireza Noei venceu Gesias Cavalcante por decisão dos árbitros

Siga o PVT

55,000FansCurtir
51,000SeguidoresSeguir
123,000InscritosSe inscrever

Instagram