O dia em que Valdemar Santana castigou o japonês Kimura num duelo de Vale Tudo na Bahia

https://youtu.be/1-seK9I4QbU

Convidado do RESENHA PVT da semana passada, o historiador marcial Elton Silva revelou um confronto lendário entre dois algozes de Hélio Gracie que pouca gente tinha conhecimento da existência: Masahiko Kimura x Valdemar Santana, em 1959.

De acordo com manchetes da época, resgatadas por Elton Silva e Eduardo Corrêa durante pesquisa para o livro “Muito Antes do MMA – O Legado dos Precursores do Vale Tudo no Brasil e no Mundo”, Kimura e Valdemar duelaram duas vezes, uma nas regras do Jiu-Jitsu, no Rio, e outra, nas do Vale Tudo, na Bahia.

O curioso é que, de acordo com a pesquisa, o japonês aceitou o duelo nas regras do Vale Tudo por engano, tendo ciência apenas momentos antes da luta. Após finalizar Valdemar no Jiu-Jitsu, Kimura foi castigado no Vale Tudo. Porém, como não foi finalizado ou nocauteado, a luta terminou empatada, como previa a regra.

Assista ao relato de Elton Silva no vídeo acima. Abaixo, segue um resumo do prefácio do livro, disponível para compara na Amazon (clique aqui para adquirir o seu).

“Aos poucos, a história do desenvolvimento das artes marciais no Brasil se mostra muito mais complexa e nebulosa do que aquela que fora apresentada logo após a emergência dos brasileiros nos ringues. Por que a proeminência dos brasileiros nos primórdios dos modernos torneios de Vale Tudo, chamados de Mixed Martial Arts (MMA)? O que os faziam tão originais? E por que não pertenciam a uma única arte marcial? E por que as versões contadas inicialmente sobre a história das artes marciais no país, na verdade inconsistentes e enviesadas, não resistiam a simples questionamentos?

Foi essa curiosidade que uniu os autores em torno de uma minuciosa investigação a respeito das origens e do processo de formação de lutadores nacionais de grande projeção internacional. Mas à medida que se pesquisava, novas informações surgiam, assim como novas dúvidas. Pouco a pouco se percebia que o fenômeno tinha raízes muito mais profundas, bem como fortes vínculos além das fronteiras nacionais. E não se limitava apenas a uma arte marcial. Era muito mais amplo. Isso tudo levou a pesquisa a se aprofundar e expandir, não só nos arquivos nacionais, principalmente os da Biblioteca Nacional, mas também mundo afora. O trabalho foi concluído somente após meia década de uma pesquisa rigorosa, baseada nas principais obras históricas de artes marciais e nos periódicos digitalizados das principais bibliotecas do mundo, localizadas, sobretudo, nos EUA, Alemanha, Bélgica, Espanha, Portugal, Singapura, Hong Kong, Japão, França, Argentina, México e Reino Unido.

Os autores esperam dessa maneira proporcionar aos leitores mais exigentes uma versão minuciosa e bem embasada da rica história do desenvolvimento das artes marciais, sobretudo dos combates mistos, no país e no mundo desde as suas origens. Processo inexorável, graças à abnegação de lutadores apaixonados pelo combate, que culminou com a projeção internacional do Brasil como grande potência do MMA”