As sete maiores rivalidades na história do MMA

Temos cada vez mais revanches acontecendo nas lutas de MMA e há um bom motivo para isso.

Essas rivalidades são extremamente alardeadas em esportes de combate. Se não fosse pelas rusgas entre Ronda Rousey e Miesha Tate, o MMA feminino provavelmente não estaria onde está hoje. O grande rancor entre Anderson Silva e Chael Sonnen também ajudou o MMA a aumentar em muito sua popularidade no Brasil.

Mas, só animosidade não é tudo o que é preciso para termos uma grande rivalidade. O rival tem que estar a altura do desafio, fazendo boas lutas e aumentando ainda mais o mito em torno dos dois atletas.

Pensando nisso, fizemos uma lista com as sete maiores rivalidades que o MMA já viu.

Ronda Rousey vs. Miesha Tate

A rivalidade entre Ronda Rousey e Miesha Tate começou no Strikeforce. Com apenas quatro lutas feitas antes do primeiro combate entre as duas, Rousey não era vista por Tate como uma adversária digna. No entanto, antes do primeiro round chegar ao fim, Rousey conseguiu uma chave de braço em Tate e saiu com uma vitória.

Quando Tate perdeu para Cat Zingano em sua estréia no UFC, parecia que uma revanche teria que esperar. No entanto, uma lesão abriu a porta para Tate ser uma das treinadoras no The Ultimate Fighter, o que só aumentou a antipatia que às peso-galo tem uma pela outra.

No UFC 168, Rousey conseguiu outro armlock contra Tate, acabando de vez com as chances da “Cupcake”.

Ken Shamrock vs. Royce Gracie

De todos os participantes do primeiro torneio do UFC, Ken Shamrock era o mais cotado para derrubar o filho da realeza do jiu-jitsu. Mas como os outros que enfrentaram Royce Gracie naquela noite de 1993, Shamrock ainda não estava pronto e logo se viu beijando a lona. Essa vitória de Gracie cimentou a primeira rivalidade dos octógonos.

Quinton “Rampage” Jackson vs. Wanderlei Silva

Nas duas vitórias no Pride, Wanderlei nocauteou com joelhadas – Foto: Susumu Nagao

É difícil dizer o quanto dessa rivalidade foi baseada em verdadeiro ressentimento e quanto disso foi bombeado por promoções que procuravam animar seus lutadores mais agressivos.

Ambos os homens lutariam contra a sombra deles se os seguissem muito de perto, então não é de se surpreender que, quando colocados juntos, ocorressem explosivas batalhas.

Os lutadores se encontraram pela primeira vez no PRIDE Final Conflict 2003 quando ambos estavam no auge de sua popularidade. Wanderlei venceu o Grand Prix depois de uma série de joelhadas forçar o árbitro a encerrar a luta.

Georges St-Pierre vs. Matt Hughes

Nem todas as rivalidades do MMA devem ser baseadas no ódio. Às vezes, as melhores rivalidades nos esportes têm a ver com habilidade e entretenimento, em vez de sangue ruim. Este é o caso entre Georges St-Pierre e Matt Hughes. 

Hughes chegou no UFC em 1999, no UFC 22. Ele ganhou o cinturão em 2001 e defendeu cinco vezes. Quando a chance de recuperar o título voltou, o homem que estava em seu caminho era um jovem chamado Georges St-Pierre.

No primeiro encontro, o americano venceu com relativa facilidade no primeiro round. Quando tiveram a chance de lutar pela segunda vez, St-Pierre quem saiu com a vitória e o cinturão do UFC com um TKO. Mas, ainda não era o fim a trilogia se completou com mais uma vitória do canadense. 

Anderson Silva vs. Chael Sonnen

Quando seu apelido é “The Bad Guy”, você tem que estar em uma lista de rivalidades de todos os tempos. Chael Sonnen é conhecido principalmente pela sua língua ferina. O ex-candidato ao título dos médios atacou quase todos os lutadores que enfrentou. E quando a luta dele com Anderson Silva foi marcada, as provocações começaram imediatamente.

No primeiro confronto entre os dois, Sonnen dominou Silva, tanto que liderava nas pontuações entre os juízes até o quinto round quando o brasileiro conseguiu um triângulo e venceu a luta.

Ainda assim, Sonnen continuou atacando Silva. Um novo encontro era inevitável e no UFC 148, ele aconteceu. Essa segunda luta acabou como a primeira com Anderson Silva vencendo por TKO no segundo round.

Conor McGregor vs. Khabib Nurmagomedov

Esta rivalidade seguinte começou com muita violência e rapidamente escalou para fora os octógonos. A disputa entre e o irlandês e o russo começou no UFC 223. Como parte do evento principal, Nurmagomedov estava em Nova York para promover a luta durante a semana final de promoção, ele e membros do seu time se envolveram em uma discussão com o companheiro de equipe de McGregor, Artem Lobov. Essa luta levou McGregor a atravessar o Atlântico para ajudar o amigo.

McGregor apareceu no Media Day com vários de seus amigos e causou estragos no ônibus do lutador. Os eventos levaram o irlandês a ser preso pela polícia de Nova York e as consequências levaram meses para serem resolvidas. Nesse meio tempo, Nurmagomedov ganhou o título.

Quando McGregor finalmente estava pronto para voltar ao UFC, Nurmagomedov estava disposto e pronto para recebê-lo de volta. Na preparação para a luta Conor continuou com suas costumeiras provocações enquanto Khabib se mantinha calmo. Após a vitória o time Nurmagomedov não se conteve e provocou a equipe de McGregor, causando uma briga generalizada dentro e fora do octógono.

Ken Shamrock vs. Tito Ortiz

Ken Shamrock e Tito Ortiz não só se detestavam… Eles odiavam o fato de que o outro existia.

A história começa em 1999, quando Ortiz venceu Guy Mezger, um lutador da academia Lion’s Den, de Ken Shamrock, e mostrou o dedo do meio para o corber de Mezger o que irritou Shamrock.

A luta levou quatro anos para se concretizar e foi marcada para o UFC 40, pelos meio-pesados. Ortiz venceu após Shamrock não conseguir voltar ao confronto. Mais dois anos se passaram e o UFC decidiu capitalizar o burburinho gerado pela primeira luta colocando as lendas do MMA uma contra a outra na terceira temporada de The Ultimate Fighter.

Quando a temporada do programa estava perto do final, uma briga verbal quase chegou às vias de fato quando os dois entraram em confronto no ginásio do TUF. A revanche foi programada para o UFC 61, mas terminou em circunstâncias polêmicas, já que muitos questionaram a legitimidade da paralisação devido às cotoveladas de Ortiz, mas Tito não se importou, já que fez 2-0 contra “O Homem Mais Perigoso do Mundo”.

Até Dana White não gostou da interrupção e ele imediatamente convocou uma revanche para três meses depois, mas Shamrock não conseguiu conter o “The Huntington Beach Bad Boy” e novamente foi vítima das cotoveladas de Ortiz.