Pronto para fazer duas lutas na mesma noite no GP do Rizin, Patricky Pitbull revela ansiedade para lutar no ‘templo do MMA japonês’

Potiguar encara no dia 31 de dezembro, no Japão, o compatriota Luiz Gustavo pela semifinal do GP dos leves – Foto: Leonardo Fabri

Patricky Pitbull luta MMA desde 2005 e já passou por quase todas as situações possíveis no esporte. Mas, por incrível que pareça, em 14 anos de carreira o potiguar nunca fez duas lutas na mesma noite. Como para tudo na vida tem uma primeira vez, Patricky espera que isso aconteça no dia 31 dezembro, quando ele entra em ação pela semifinal do GP dos leves do Rizin FF. Antes de pensar em uma eventual final, Patricky sabe que precisa passar pelo compatriota Luiz Gustavo. Caso vença a luta, ele avança para a final, que será disputada na mesma noite. Patricky disse que fez uma preparação especial para encarar dois combates no mesmo dia, e revelou estar ansioso para lutar no suntuoso Saitama Super Arena, palco de eventos que entraram para a história do MMA.

“Ainda continua sendo um sonho lutar no Japão. O Saitama é o templo do MMA japonês, onde tudo começou. Estou muito ansioso para que esse momento chegue. Estou pronto há muito tempo. Desde a minha última luta eu estou me sentindo pronto para lutar. Tive que me controlar, porque a vontade de treinar e lutar estão enormes. Encarar duas lutas na mesma noite vai ser uma experiência nova pra mim. É algo que eu nunca fiz na minha vida. Mas eu treino pra isso. Meus sparrings foram direcionados pra isso. Eu fazia um sparring, dava duas horas de intervalo, e em seguida fazia o segundo sparring. É um pouco desgastante, conta um pouco com a sorte também de não se lesionar. Mas estou pronto. Acho que é mais um trabalho psicológico do que físico. O lado mental conta muito”, disse Patricky.

Na reta final do seu camp de preparação para a luta, o potiguar recebeu o reforço das estrelas do UFC Henry Cejudo, campeão em duas divisões, e o ex-desafiante ao cinturão dos médios do UFC Kelvin Gastelum. Patricky, que já conta com a ajuda de peso do seu irmão Patrício Pitbull, campeão duplo do Bellator, e do treinador Eric Albarracin, disse que a presença dos americanos fortaleceu ainda mais o seu jogo.

“É sempre bom receber caras de nome assim. Já tem o meu irmão aqui que é campeão de duas categorias no Bellator, agora recebemos o Henry Cejudo, que é campeão de duas categorias no UFC. O Kelvin Gastelum eu já conheço há muito tempo, desde 2011, quando ele estava assistindo uma luta do Patrício como fã. Ele ainda estava no começo da carreira. Na época treinava com o Efrain Escudeiro, que também foi lutador do UFC. Eles são muito gente boa, e grandes talentos do MMA. O Cejudo está sempre lapidando o nosso Wrestling junto com o Eric Albarracin. Ter aula com o campeão olímpico é inexplicável! Ele sabe demais, passa vários detalhes que fazem uma grande diferença. Então, a chegada deles só fez melhorar o meu jogo e me deixar ainda mais preparado para essa luta no Rizin”, enalteceu o casca-grossa.

O peso-leve brasileiro estudou bem o jogo do seu oponente da semifinal e está confiante que sairá vitorioso do duelo. Obviamente Patricky está de olho também no que pode acontecer na outra semifinal, que será disputada entre Johnny Case e o russo Tofiq Musayev. Caso avance para a decisão do torneio, ele terá apenas duas horas para se recuperar e voltar ao cage. Por isso, se preparou com antecedência para uma eventual final.

“Meu oponente tem um bom recorde, mas não me impressiona. Já estou nesse ramo há muito tempo. Ele é um cara novo, com muita vontade, tem um jogo muito agressivo e perigoso. Ele tem uma boa mão direita, é o ponto mais forte dele. Eu estou pronto pra ele, sei muito bem o que tenho que fazer e vou lá para dar o meu melhor para chegar a final do GP. Do outro lado tem dois atletas muito fortes. Eu ainda tenho dúvidas de quem passa, mas acho mais provável que seja Tofiq Musayev. Estudamos os dois, além do meu oponente na semifinal, e estamos prontos para quem vier”, concluiu.